Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Vitor Bueno alerta Santos sobre postura do Botafogo-SP: 'Jogo da vida deles'

""Tive essa experiência de fazer quartas de final de Paulista pelo Botafogo"

Estadão Conteúdo

20 de março de 2018 | 15h46

Vitor Bueno foi criado na base do Botafogo-SP e, por isso, falou com propriedade sobre o rival do Santos  nas quartas de final do Campeonato Paulista. Lembrando seus tempos no clube de Ribeirão Preto, ele avisou seus atuais companheiros que o time interiorano fará "o jogo da vida" na Vila Belmiro, nesta quarta-feira, em busca da classificação à semifinal, após o empate por 0 a 0 na ida.

+ Confira a tabela do Campeonato Paulista

"Tive essa experiência de fazer quartas de final de Paulista pelo Botafogo, e era o jogo da nossa vida, como vai ser o jogo da vida deles também. É neste jogo que os jogadores podem buscar um contrato para o segundo semestre, fazer história. Além do fato de atuar na Vila Belmiro. Eles vão querer eliminar a gente aqui", alertou.

Contratado em 2015 pelo Santos, Vitor Bueno se destacou no ano seguinte, mas caiu de produção até sofrer uma grave contusão em julho, que o afastou do futebol até o mês passado. Ainda em busca do ritmo de jogo, o meia tratou com naturalidade o fato de estar na reserva atualmente e admitiu que ainda não está no auge de sua forma.

"Acho que a cautela que estão tendo comigo é bastante importante. Quanto mais rápido voltar, mais posso machucar novamente. Não é uma lesão fácil, mas estou 100% zerado. Estou lutando por meu espaço, mas preciso respeitar meus companheiros, que já estavam desde o ano passado 100% fisicamente. Estou buscando este espaço para quando entrar, não sair", projetou.

Vitor Bueno também fez questão de minimizar a declaração dada após o empate sem gols na ida, quando criticou a "morosidade" do Santos e afirmou que a equipe havia fugido de suas características.

"Me expressei mal. A questão da morosidade foi de um momento ou outro do jogo. Mas ficamos com a posse, criamos as melhores chances. Quando disse que não era a cara do Santos, foi sobre empatar jogos, não marcar gols. Poderíamos ter saído dali com a vitória. Não quis dizer nada demais. Quem sou para criticar a tática do Jair?", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.