REUTERS/Carla Carniel
REUTERS/Carla Carniel

Vítor Pereira assume erro na derrota para o Cuiabá e avisa: 'não temos um superelenco'

Treinador português cita Pep Guardiola e Jurgen Klopp para justificar as falhas

Redação, Estadão Conteúdo

11 de junho de 2022 | 21h04

Após a vitória sobre Juventude, por 2 a 0, neste sábado, na Neo Química Arena, o técnico Vítor Pereira assumiu a responsabilidade pela derrota para o Cuiabá, na terça-feira passada, demonstrando incômodo com o resultado que custou a liderança do campeonato.

"Não temos um super elenco, de tirar um e colocar outro. O que precisamos é nos manter vivos e nos recuperar logo depois da derrota como fizemos hoje. Faço mea culpa (pela derrota contra o Cuiabá). Mas vejo Guardiola falhar, vejo o Klopp falhar, às vezes até em finais, como é que eu não vou falhar também", disse o treinador português.

"Às vezes imagino o jogo e depois acontece outra coisa", disse Vítor Pereira, em entrevista coletiva. "Temos que assumir que fizemos mal jogo e temos que reagir sempre em seguida. Mas aqui sofremos juntos, rimos juntos, temos responsabilidade juntos", continuou o comandante corintiano.

Vitor Pereira ainda elogiou a mudança de postura de seus comandados contra a equipe gaúcha, atual vice-lanterna do Brasileiro. "Lá (contra o Cuiabá) ficamos muito aquém do que podemos fazer. Hoje fizemos um jogo diferente, com dinâmica, só faltaram mais gols. Fomos mais reativos", concluiu.

Vítor Pereira também comentou a saída do atacante Jô, que acertou a rescisão de contrato esta semana depois de o atacante ter sido filmado em um pagode durante o confronto contra o Cuiabá e, em seguida, ter faltado ao treino. Após a polêmica nas redes sociais, jogador e clube finalizaram o contrato.

"Sobre o Jô, eu lamento (a saída). Tínhamos uma relação com o Jô de confiança e compromisso. Tivemos a primeira situação e o compromisso era não acontecer de novo, a falta de profissionalismo", afirmou. "Lamento muito porque ele tem características muito importantes, mas o comportamento que se repete se torna padrão. Mas quando a imagem do clube, espírito de grupo é afetado, não tem outra solução. Para mim não havia outra solução que não fosse essa", afirmou. "Perdemos um amigo e agora temos que reinventar soluções. Atacar com outra forma. Jogadores importantes são os que estão", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.