Rodrigo Coca/ Agência Corinthians
Rodrigo Coca/ Agência Corinthians

Vítor Pereira projeta Corinthians no ataque diante do Flamengo na Libertadores

Técnico promete equipe ofensiva que "vai procurar fazer o seu jogo" no duelo da próxima terça-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2022 | 08h00

O técnico Vítor Pereira afirma que o Corinthians "vai procurar fazer o seu jogo" diante do Flamengo na terça-feira, em confronto de ida das quartas de final da Libertadores. Isso significa que o time paulista vai procurar a vitória e evitar uma postura reativa, buscando a defesa e, em seguida, o contra-ataque. 

"Para enfrentar o Flamengo, precisamos estar no melhor nível. Não seremos especulativos. Vamos fazer o nosso jogo", afirmou o treinador em entrevista coletiva na Neo Química Arena após o triunfo sobre o Botafogo por 1 a 0, neste sábado, dia 30, pelo Campeonato Brasileiro. Vítor Pereira prometeu que tentará dar mais qualidade ao Corinthians no segundo semestre, e deixar de atuar como "resultadista" apenas. 

O treinador projeta confrontos completamente diferentes daqueles disputados contra o Boca Juniors, por exemplo. "O Flamengo é uma equipe com qualidade individual e coletiva, mas com uma dinâmica completamente diferente do Boca Juniors. Serão jogos diferentes", analisa.   

A partida deste sábado deu algumas pistas sobre a escalação que o treinador português deverá utilizar na terça-feira. Elas estão em praticamente todos os setores. Na defesa, a zaga (Bruno Méndez e Balbuena) deve ser mantida, pois o treinador confirmou que Raul Gustavo está com problemas musculares no departamento médico. Gil é a outra opção. "Vamos ter de encontrar a melhor dupla de acordo com as características do adversário", desconversou o treinador. 

No meio-campo, a formação inicial deverá ter Maycon, Cantillo, Du Queiroz, todos jogadores que foram poupados ou entraram no decorrer da vitória sobre o Botafogo em casa pelo Nacional. O ataque deverá ainda ter Adson, Yuri Alberto e Willian, também com poucos minutos de atuação e mais descansado. 

O treinador reafirmou que a escalação envolve a avaliação física e o risco de lesões, jogo após jogo. "Temos de ir jogo a jogo, fazer avaliação de como estão fisicamente e também em relação ao risco de lesões. Escolher aqueles que achamos que podem jogar numa intensidade forte nesta sequência de jogos de três em três dias".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.