Vitória acalma ânimos no Palmeiras, diz Luxemburgo

Treinador afirma que a equipe precisava vencer nesta quarta para espantar o princípio de crise

Juliano Costa, Agencia Estado

30 de outubro de 2008 | 00h40

Além de recolocar o Palmeiras na briga pelo título, a vitória sobre o Goiás por 1 a 0, no Palestra Itália, nesta quarta-feira, foi importante para acalmar os ânimos de um elenco agitado pelas declarações do goleiro Marcos após a derrota para o Fluminense, no sábado.Veja também:Palmeiras derrota o Goiás e se recupera no Brasileirão Brasileirão Série A - Classificação Brasileirão Serie A- Calendário/Resultados Ouça o gol no Território EldoradoDê seu palpite no Bolão Vip do Limão "Nosso time entrou muito nervoso, querendo ganhar de qualquer jeito", admitiu o técnico Vanderlei Luxemburgo. "Marcos tem minha confiança, mas expôs demais o grupo e o pessoal ficou desconfortável. Precisávamos da vitória", completou.O goleiro havia reclamado da instabilidade do time e da falta de reposição no elenco. Pediu desculpas para o grupo e acusou a imprensa de deturpar suas declarações. "Tenho crédito com a torcida do Palmeiras e com o Vanderlei. É difícil mudar meu jeito de ser. Não ganho para dar entrevista, não preciso de fama, mas acabo ficando chateado. É melhor eu não dar entrevista".Luxemburgo deixou claro que não queria mais ver seu capitão reclamando publicamente de erros da equipe. Após essa vitória, a tensão baixou. "Sei que o Marcos ainda vai falar muita besteira, só espero que ele diminua isso". O técnico emendou: "Exemplo de capitão é o Rogério Ceni, que tirou dinheiro do próprio bolso para viajar com a equipe mesmo machucado".O goleiro garantiu que não ficou magoado com a reação do treinador. Pelo contrário. Ele cobriu o treinador de elogios. "Cobrança do treinador é normal e eu só estou jogando por causa dele. Vanderlei é inteligente e soube usar esse fato para motivar o time". Ao saber do comentário, Luxa sorriu: "Peguei um limão e fiz uma limonada".Mas o princípio de crise deixou seqüelas. Diego Souza, que havia reclamado de "falta de ética" de Marcos, dizendo que "roupa suja se lava em casa", foi vaiado por parte da torcida na saída de campo. "Viu como as declarações do Marcos foram desnecessárias? O Diego ficou exposto", disse Luxemburgo. "Mas se ele fizer dois gols no próximo jogo, o pessoal esquece".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.