Vitória bate Atlético-MG por 3 a 0 na Copa do Brasil

Liderado pelo veterano meia Ramon Menezes, o Vitória bateu o Atlético Mineiro por 3 a 0 no primeiro confronto entre as duas equipes com maior número de participações na Copa do Brasil (estão disputando a 20ª edição), válido pelas oitavas-de-final da competição. Com o resultado, os mineiros precisam vencer por quatro gols de diferença no jogo de volta, na próxima quarta-feira, em Belo Horizonte, para avançar na competição.

TIAGO DÉCIMO, Agencia Estado

30 de abril de 2009 | 00h07

O Atlético, querendo apagar a decepcionante atuação do domingo anterior, quando foi goleado por 5 a 0 pelo Cruzeiro, começou o jogo tocando a bola, tentando controlar o ritmo de jogo e eliminar as chances de sofrer uma pressão da equipe baiana. O esforço parecia funcionar, mas durou apenas quatro minutos, quando o Vitória conseguiu sua primeira finalização: em escanteio cobrado por Ramon Menezes, o zagueiro Wallace escorou e seu companheiro de zaga Victor Ramos completou para o canto esquerdo de Juninho, abrindo o marcador.

O gol assustou o Atlético, que ainda perdeu seu principal atacante, Diego Tardelli, que foi atingido pelo volante Carlos Alberto no pé esquerdo e acabou substituído por Alessandro logo aos 11 minutos.

O Vitória, por outro lado, apoiado pela torcida e sentindo a fragilidade do adversário, chegou ao segundo gol pouco depois. Em nova cobrança de escanteio, desta vez no lado esquerdo do campo, aos 15 minutos, Ramon levantou a bola e o centroavante Neto Baiano, na primeira trave, pulou mais que a marcação e desviou. A bola ainda bateu em Renan antes de entrar no gol.

A vantagem não fez o time baiano diminuir o ritmo. Ao contrário, o Vitória passou a pressionar ainda mais a defesa adversária, mas foi acumulando gols perdidos até o fim do primeiro tempo. Já a equipe mineira, sem a referência de Tardelli e com atuação apagada de Lopes, pouco se aventurava nos contra-ataques.

No segundo tempo, o jogo esfriou. O Vitória, aparentemente satisfeito com a vantagem criada, e o Atlético, sem inspiração (e nitidamente temendo levar mais gols), pouco ousaram no ataque. O técnico Emerson Leão ainda tentou colocar novo ânimo na equipe, sacando Alessandro - que tinha entrado no lugar de Tardelli - e Lopes para colocar Kléber e Yuri.

As alterações, porém, mostraram-se infrutíferas. O Vitória continuou comandando as ações e acabou fazendo mais um gol: aos 34 minutos, em cruzamento de Apodi, Neto Baiano cabeceou firme para o gol de Juninho, que ainda tocou na bola, mas não conseguiu fazer a defesa. O gol foi o milésimo da história do Barradão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.