Vitória dramática do Corinthians

O Corinthians aumentou as chances de classificação nas semifinais do Campenato Paulista ao vencer o União Barbarense por 4 a 3, hoje à tarde, em Santa Barbara D?Oeste. Foi a quarta vitória consecutiva do time da capital na competição, que soma agora 17 pontos em 11 jogos. A equipe do interior continua ameaçada de rebaixamento. Mas foi uma vitória dramática do Corinthians. Depois de estar vencendo por 4 a 1 no primeiro tempo, o time do técnico Wanderley Luxemburgo permitiu a reação do adversário que quase empatou. O goleiro Marcos, do União Barbarense, atuou com caimbras nas duas pernas desde os 23 minutos do segundo tempo. Mesmo assim ele fez boas defesas. O início do Corinthians foi arrasador. A ausência de Luizão, afastado do time por Luxemburgo, porque está acertando sua transferência para o Borussia Dortmund, da Alemanha, não prejudicou o Corinthians. Aos 3 minutos, Gil, que substituiu Luizão fez 1 a 0. Após cobrança de falta ensaiada, Marcelinho acertou a bola na trave. Na volta, Éwerthon não conseguiu completar a jogada, mas Gil aproveitou a sobra e marcou. Aos cinco, Éwerthon aumentou para 2 a 0: ele pegou o rebote na área e chutou no zagueiro Ronaldo Alves. A bola sobrou novamente para Éwerthon que fez o gol. Aos 12 minutos a defesa do Corinthians vacilou e Mauro diminuiu a diferença. Mas cinco minutos depois, o juiz Cléber Wellington Abade favoreceu o Corinthians ao marcar pênalti inexistente de Válder em Gil. Marcelinho cobrou e fez 3 a 1 aos 17 minutos. O time da casa começou a dar sinais de abatimento. Assim, o Corinthians manteve-se no ataque, e aos 35 minutos, o zagueiro João Carlos fez 4 a 1, após uma jogada individual na área do adversário. No segundo tempo, o Corinthians tratou de poupar-se. Mesmo com o goleiro machucado, a equipe do Parque São Jorge não forçou muito as jogadas. Como castigo sofreu o segundo gol em outro erro do juiz Cléber Wellington Abade, que marcou novamente pênalti inexistente de André Luís em Luís Gustavo. Mauro cobrou e marcou aos 31 minutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.