Felipe Oliveira/Bahia; Maurícia da Matta/Vitória
Felipe Oliveira/Bahia; Maurícia da Matta/Vitória

Vitória e Bahia fazem clássico no Barradão com objetivos distintos no Brasileirão

Equipe rubro-negra conta com técnico interino para tentar sair do Z-4; time tricolor tenta superar eliminação na Copa Sul-Americana

O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2018 | 15h14

Concentração total para o clássico que pode valer a temporada. É assim que os dois rivais estão lidando com Vitória x Bahia deste domingo, às 17 horas (de Brasília), pela 33.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Um triunfo no estádio Barradão, em Salvador, pode tirar o time rubro-negro da zona de rebaixamento, enquanto que para o tricolor vale a permanência na primeira divisão de forma antecipada.

Em toda história do clássico no Brasileirão, desde 1972, há um forte equilíbrio. Cada time venceu nove vezes, com 11 empates. Quem vencer este Ba-Vi de número 30, portanto, ficará na frente neste retrospecto.

Após o empate contra o lanterna Paraná por 1 a 1 no último final de semana, o Vitória confirmou a demissão do técnico Paulo César Carpegiani. Por isso, o interino João Burse tem a difícil missão de estrear justamente no clássico que pode tirar o time da zona de rebaixamento. Com 34 pontos, o clube tem dois pontos a menos que o Sport, atual 16.º colocado.

Já o Bahia vem de uma recente e amarga eliminação para o Atlético-PR nas quartas de final da Copa Sul-Americana, com muita reclamação da arbitragem nos dois jogos. O fim do sonho de um título internacional pode ser amenizado com uma vitória no clássico. O clube vem em alta após o triunfo para cima da Chapecoense por 1 a 0 e já aparece com 40 pontos.

Para o jogo dentro de casa, João Burse cobrou mais intensidade dos atacantes do Vitória. No trabalho com bola desta semana, o treinador ensaiou uma marcação alta, buscando tomar o controle da bola no campo de ataque, além de jogadas em velocidade pelas pontas. O certo é que ele não vai poder contar com os zagueiros Ruan Renato e Aderllan, suspensos por três cartões amarelos, e o atacante Rhayner, expulso no último jogo.

No Bahia, Enderson Moreira adotou um clima de mistério, mas já adiantou que é muito improvável a participação do atacante Gilberto no clássico. Ele foi desfalque nos últimos quatro jogos e ainda trata de um estiramento no joelho. Até treinou com os companheiros na quinta e sexta-feira, mas ainda não está 100%. Suspenso, o goleiro Douglas Friedrich também é desfalque e Anderson vai começar como titular.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.