Vitória evita crise no Corinthians

Alívio. Este era o sentimento dos jogadores e do técnico Carlos Alberto Parreira, do Corinthians após a vitória sobre a Ponte Preta. Depois de despencar da segunda para a sexta colocação do Rio-São Paulo, com a derrota por 4 a 3 para o Flamengo e o empate por 1 a 1 com o Guarani, além de ficar em situação delicada na Copa do Brasil, empatou em casa por 2 a 2, com o Cruzeiro, novo tropeço poderia desencadear uma crise no Parque São Jorge. "Não foi uma das nossas melhores apresentações", reconheceu o goleiro Dida. "Mas a vitória foi crucial para continuarmos na luta pela vaga." Parreira seguiu a linha de raciocínio de Dida. "Quarta-feira (2 a 2 com o Cruzeiro) jogamos bem e empatamos. Diante da Ponte, erramos muito, mas o importante, agora, são os três pontos." O Corinthians tem prazo de cinco dias para pagar R$ 4,5 milhões para o Santos, referente à contratação do meia Fumagalli. Caso isso não aconteça, o jogador ficará impossibilitado de atuar. Neste sábado, Fumagalli jogou por causa de um acordo entre Corinthians e o Departamento Jurídico do Santos. O atleta não quis comentar o assunto, mas estava bastante emocionado com o primeiro gol pelo novo clube. "Vai marcar a minha vida", disse. Na comemoração, agradecimento a Kléber, autor do cruzamento. "Dei um abraço nele e disse obrigado", revelou.

Agencia Estado,

16 Março 2002 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.