Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Vitória sobre o Linense dá novo ânimo para Palmeiras na Libertadores

Técnico Gilson Kleina espera contar com a volta de Henrique para a decisão contra o Tigre

Daniel Akstein Batista, O Estado de São Paulo

30 de março de 2013 | 08h17

SÃO PAULO - A vitória do Palmeiras sobre o Linense por 2 a 1, na noite deste sábado, não apenas diminuiu a pressão sobre o técnico Gilson Kleina como deu confiança para a equipe na partida de terça-feira contra o Tigre, no Pacaembu, pela quarta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores.

O grupo alviverde entrou bastante pressionado para o jogo contra o Linense, e já ouvia as vaias da torcida quando Marcelo Oliveira conseguiu fazer o gol da vitória já no final, para alívio de todos os palmeirenses que ainda estavam com a goleada sofrida por 6 a 2 para o Mirassol na cabeça, na rodada anterior do Campeonato Paulista. Agora, a confiança para bater o Tigre aumentou.

"Dá mais tranquilidade", avisou o zagueiro Vilson, que está suspendo na terça-feira. "Essa vitória nos deu moral para o jogo", confirmou Gilson Kleina.

O treinador novamente vai ter de mudar o time na Libertadores. Leandro, Léo Gago, André Luiz e Rondinelly não estão inscritos na competição; Valdivia, Maikon Leite estão machucados. Por outro lado, Kleina espera contar com a volta de Henrique, que deve treinar com bola neste domingo após se recuperar de lesão na coxa esquerda. O goleiro Fernando Prass, que não enfrentou o Linense por causa de uma lombalgia, deve estar em campo. "Não deve ser problema", afirmou o médico Otávio Vilhena.

O jogo de terça-feira será decisivo para o Palmeiras. Uma derrota deixará o Palmeiras mais distante da classificação para as oitavas de final. E Kleina já imagina as dificuldades que vai ter contra o Tigre. "Eles Vão vir com muita marcação, na bola aérea, mas temos de fazer o mando de campo", falou o treinador. "E tenho certeza que a torcida vai fazer a diferença e dar apoio a todos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.