Reprodução/ TV Globo
Reprodução/ TV Globo

Viúva defende piloto do acidente da Chapecoense: 'Era um homem responsável'

Abalada, Daniela disse que o marido não era um assassino

O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2016 | 10h08

Enquanto seguem as investigações sobre o trágico acidente da Chapecoense, um nome tem sido apontado como grande responsável pela morte das 71 pessoas no avião que levava o time catarinense para Medellín, na última terça-feira: Miguel Quiroga, piloto do avião e sócio da empresa aérea LaMia.

Investigações preliminares dão conta de que a aeronave teve uma pane seca por falta de combustível, depois que Quiroga teria arriscado percorrer o longo trajeto entre Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e Medellín, na Colômbia, sem fazer escala para abastecimento em Cobija, no norte do país boliviano.

Sua viúva, Daniela, contudo, afirmou que o marido era um profissional responsável e que jamais colocaria em risco a vida de passageiros e tripulantes neste voo da Chapecoense. "Ele estava muito bem preparado para operar. Meu marido levava aviação muito a sério. Eu entendo a dor de todos. Também perdi meu marido, também tenho filhos. Eu entendo a dor de todas as pessoas, mas ele nunca colocaria por vontade a própria vida e de ninguém em risco", disse, em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo.

De acordo com a reportagem do programa, a família do piloto vem recebendo ameaças de morte desde o acontecido. Daniela seguiu defendendo Miguel Quiroga. "Meu marido era um homem responsável, que amava o que fazia. Ele não era uma pessoa má, não era um assassino", completou.

O corpo do piloto foi enterrado no último domingo, em Cobija, próximo à fronteira com o Brasil, justamente na cidade onde as investigações apontam que Quiroga deveria ter feito uma escala para abastecimento do avião que levava a delegação da Chapecoense até Medellín para a final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional, mas que caiu perto do aeroporto da cidade colombiana. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.