Daniel Hott/América-MG
Daniel Hott/América-MG

Vivendo momentos opostos, América-MG trata clássico contra Cruzeiro como decisão

Equipe de Adilson Batista luta para se distanciar da zona da degola; ambos os técnicos fecharam os treinos que precedem o duelo

Estadão Conteúdo

04 Novembro 2018 | 07h14

Apesar da conquista da Copa do Brasil, que valeu uma vaga na próxima Copa Libertadores, o Cruzeiro não abriu mão do Campeonato Brasileiro e promete não facilitar a vida do América-MG no clássico deste domingo, às 17 horas, no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 32.ª rodada.

O Cruzeiro tem 43 pontos, aparece no meio da tabela de classificação e tenta apenas terminar a competição com dignidade, já que priorizou a Copa do Brasil e a acabou conquistando diante do Corinthians. Na última rodada venceu o lanterna Paraná por 3 a 1.

Só que o América-MG trata o jogo como uma decisão, já que vem lutando para permanecer na primeira divisão. Após o bom começo, o time caiu de produção na reta final e agora tem apenas 34 pontos, os mesmos da Chapecoense, que abre a zona da degola. Na última rodada, já perdeu um confronto direto ao ser derrotado pelo time catarinense por 1 a 0. Agora busca a reabilitação. A última vitória foi sobre o Vasco, por 2 a 1, ainda na 23.ª rodada. Já são oito jogos sem vencer.

Sob protestos da torcida, o técnico Adilson Batista fechou o treino da última sexta-feira e não deu pistas sobre a provável escalação para o clássico contra o Cruzeiro. São quatro desfalques certos: o goleiro Jori, com tendinite nos adutores das pernas; o volante David, fratura na fíbula do joelho esquerdo; e o meia Gerson Magrão e o atacante Aylon, ambos suspensos.

O treinador ainda aguarda o departamento médico para saber a possibilidade de escalar o volante Juninho e o meia Matheusinho. Os dois farão um último teste antes da partida para saber se terão condições de atuar. É provável que fiquem de fora, com Ruy entrando no time.

"É uma decisão, como todas as outras que temos pela frente. Mais do que nunca, cada jogo vai definir o futuro do clube e dos atletas. Sabemos bem o que um descenso pode causar na carreira do jogador e do clube, pois envolve muita coisa. Temos que buscar a permanência, com os pés no chão, sempre fazendo algo a mais a cada dia", disse Matheus Ferraz.

Por se tratar de um clássico, o técnico Mano Menezes seguiu a linha de Adilson Batista e também optou pelo mistério. No entanto, revelou que não poderá contar com o zagueiro Murilo, o volante Bruno Silva e o atacante Sassá. Por outro lado, terá o retorno do meia Thiago Neves. Ele cumpriu suspensão na vitória por 3 a 1 contra o Paraná. "Vamos com força máxima. Teremos todos à disposição, com exceção dos lesionados e do Sassá, suspenso", confirmou.

"Tento render em todos os jogos. Mas essa é uma particularidade que tenho contra a equipe deles. Tem coisas positivas, negativas também (situação do América-MG). Quando você está apertado, você tem que tentar dar 100% para sair dessa situação desconfortável. Então, o time deles vai dar tudo e nós vamos preparar nosso jogo para tentar somar os três pontos", declarou Arrascaeta.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.