Vivo procura garoto-propaganda na seleção

Depois de fechar acordo milionário com a CBF, a Vivo quer aprofundar seu investimento no futebol. O primeiro objetivo é procurar um garoto-propaganda entre os atuais ídolos da seleção brasileira, capaz de rivalizar com Ronaldo, que tem contrato com a TIM, uma de suas principais concorrentes no mercado do País."Vamos pedir conselhos ao presidente Ricardo Teixeira, para que ele nos indique os jogadores que serão os ídolos do futuro", disse Luís Avelar, vice-presidente executivo de Marketing e Inovação da companhia telefônica.O novo garoto-propaganda terá como ?colega? de trabalho a modelo brasileira Gisele Bündchen, que nesta quarta-feira fez uma rápida aparição no anuncio oficial do acordo, na sede da Vivo, em São Paulo: chutou umas bolas e ensaiou umas embaixadinhas. Gisele também protagonizou a primeira peça publicitária envolvendo a companhia telefônica e a seleção, com direito até a um slogan: "Além de patrocinar a Deusa, agora a Vivo vai patrocinar os Deuses."De acordo com o contrato anunciado nesta quarta-feira, a Vivo pagará US$ 4 milhões por ano à CBF, durante dez anos, com cláusula de renovação. Em troca, a operadora anunciará nas mangas dos uniformes de treino, nos ônibus da seleção e terá direito exclusivo ao conteúdo relativo da seleção brasileira.A princípio, os assinantes da Vivo terão acesso a informações exclusivas e poderão assistir aos gols da seleção brasileira em seus telefones celulares.Será o terceiro grande patrocinador da seleção brasileira, que tem contratos com Nike (US$ 12 milhões), fabricante de roupas esportivas, e com a Ambev (US$ 10 milhões), empresa do setor de bebidas - ambos até 2018. O presidente da CBF confirmou que ainda há espaço para mais um anunciante, que utilizaria os ombros do uniforme dos treinos. "Temos alguns contatos, mas nada concreto. A única condição imposta é que não se incompatibilize com os demais patrocinadores", revelou o dirigente.Ricardo Teixeira garantiu também que Ronaldo será obrigado a usar os novos uniformes de treinos com a logomarca da Vivo. "Todos os jogadores assinam um contrato com a seleção brasileira e sabem que deverão usar os uniformes oficiais da seleção", avisou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.