Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Vladimir defende Zeca, alvo da torcida santista, após pichações em muros da Vila

Torcedores ameaçaram o lateral

O Estado de S.Paulo

21 de março de 2017 | 19h50

O goleiro Vladimir, do Santos, considerou injustas as críticas da torcida após a derrota por 2 a 1 para o Palmeiras, ocorrida no domingo passado, na Vila Belmiro. A virada sofrida desencadeou uma série de protestos. Os muros do estádio foram pichados. "Zeca, joga bola!" e "Mais raça, menos religião" foram as mensagens deixadas pelos insatisfeitos.

Em entrevista coletiva no CT Rei Pelé, Vladimir saiu em defesa do companheiro mais criticado pelos torcedores. Ele classificou o lateral Zeca como um "baita jogador". O goleiro considera normal as cobranças em um grande clube, especialmente após resultados desfavoráveis, assim como a busca por um culpado. Mas lembrou que a temporada está apenas no início. "Nossa situação não é a que esperávamos, mas tem muita coisa para acontecer e o Zeca vai nos ajudar bastante", completou.

O goleiro também está em uma disputa pela posição de titular com Vanderlei, que está à disposição do técnico Dorival Júnior após se recuperar de uma fratura no dedo anelar da mão esquerda. "O Vanderlei pode ser relacionado, é um ídolo, grande goleiro. Dorival não comentou nada ainda, mas sei a minha função. Estou focado apenas em ajudar", contemporizou Vladimir.

O Santos joga pressionado para avançar no Campeonato Paulista. A equipe praiana é apenas a terceira colocada do Grupo D, com 13 pontos ganhos, atrás de Ponte Preta - que empatou nesta terça-feira à tarde contra o Santo André em 3 a 3, no ABC - e Mirassol - que enfrenta o Palmeiras, nesta quarta-feira, no Allianz Parque. O time campineiro lidera a chave com 16 pontos e a equipe de Mirassol já somou 14 pontos até agora.

Por isso, a partida contra o São Bento, no estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, nesta quarta, às 19h30, torna-se fundamental. A três rodadas do fim da primeira fase do Paulistão, o time precisa da vitória e ainda deve torcer pelo sucesso do Palmeiras para alcançar o segundo lugar no grupo e, aí sim, depender somente das próprias forças para se classificar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.