Volta de Cuca pode causar desconforto no Botafogo

Saída após derrota vexatória para o River Plate não é vista com bons olhos por alguns atletas do elenco

08 de outubro de 2007 | 19h57

A volta de Cuca ao Botafogo pode causar algum desconforto entre os atletas e a comissão técnica. Quando o treinador decidiu deixar o cargo, após a incrível derrota para o River Plate por 4 a 2 que eliminou o time da Copa Sul-Americana, vários jogadores do time reprovaram a atitude de Cuca.   "Na hora do sufoco, ele deixou o barco. Que papelão! Mas eu pelo menos vou ficar aqui até o fim", disse um dos jogadores mais influentes do grupo, antes da partida contra o Santos.   Mas a derrota para os santistas por 2 a 1, nos minutos finais, sábado, no Engenhão, levou a diretoria do Botafogo a nova medida surpreendente: recontratar Cuca sem notificar Mário Sérgio. Com a crise em curso, e sob o peso de três derrotas consecutivas, coube ao ex-técnico do Figueirense pedir demissão.   O Botafogo teve queda acentuada após uma nova intervenção do vice-presidente de Futebol, Carlos Augusto Montenegro. Após a partida contra o River Plate, em Buenos Aires, Montenegro, conhecido por seu temperamento explosivo, vociferou contra os jogadores, a quem chamou de frouxos, entre outras ofensas.   Cuca pediu demissão e Mário Sérgio, que havia acabado de deixar o Figueirense, para tentar reerguer o time. Obviamente, a diretoria do Botafogo via o novo treinador apenas como tapa-buraco. Depois da derrota para o Santos, a terceira consecutiva, Mário Sérgio concedeu entrevistas normalmente e traçava planos para o restante do campeonato. Em seguida, viajou com a equipe para Itu, em São Paulo, onde o clube busca paz para recuperar o futebol e o equilíbrio emocional perdidos.   Na manhã de domingo, Mário Sérgio teria pedido sua saída. Mas a confirmação de que Cuca retornava ao cargo viria pouco depois, no mesmo dia, o que indica que Cuca já vinha sendo convencido pelo comando do futebol alvinegro a repensar sua saída. Mário Sérgio, percebendo tal movimentação, passou o boné de imediato e saiu atirando.   "Assumi o Botafogo bem intencionado, porque o time faz parte da minha história. Joguei lá três anos (de 1976 a 1979). Mas sempre fui hostilizado pela torcida. Depois do terceiro jogo, pensei: estou atrapalhando. Só ficaria se fosse burro", afirmou o treinador, direto nas críticas a seu, ao mesmo tempo, antecessor e sucessor. "A bronca com os jogadores foi transferida para mim. Ao mesmo tempo, o Cuca dava entrevistas dizendo que amava o Botafogo. Ele foi extremamente antiético, até incoerente, porque pediu demissão. O torcedor é suscetível a este tipo de abordagem. Viraram os canhões para mim."   Mário Sérgio disse inclusive que foi ele o dono da idéia de concentrar o time em Itu na semana de preparação para o clássico de domingo, contra o Vasco. Percebeu, no entanto, que não tinha lugar e que a volta de Cuca era algo certo. Diz que não houve "nenhuma" tentativa da diretoria em segurá-lo. "Receberam a notícia como se já estivessem esperando", disse. Não deu tempo nem de assinar o contrato. "Acertamos uma quantia e eles atrasaram o pagamento. Isso está documentado. Eu poderia até entrar na Justiça, mas não vou fazer isso."   Para os jogadores, apenas elogios do fugaz treinador. "O elenco é muito forte, em todos os sentidos. Foram receptivos ao meu enfoque", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Brasileirão Série ABotafogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.