Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Volta de Jean Mota e boa fase de Carlos Sánchez dão 'boa dor de cabeça' no Santos

Fernando Diniz reconhece a evolução do futebol do uruguaio, que tem ganhado cada vez mais prestígio entre o elenco

Redação, Estadão Conteúdo

19 de julho de 2021 | 19h34

O técnico Fernando Diniz que tanto cobrou reforços no Santos vai iniciar os trabalhos de olho no jogo de volta com o Independiente, pela Copa Sul-Americana, com uma "boa dor de cabeça" nesta terça-feira. Jean Mota não jogou no fim de semana, diante do Red Bull Bragantino, por suspensão, mas está à disposição para voltar contra os argentinos. O problema é que Carlos Sánchez foi muito bem em Bragança Paulista (SP).

Diniz não é adepto ao rodízio do elenco e terá de definir quem será seu segundo jogador de meio de campo. O jogo será nesta quinta-feira, na Argentina, e o Santos tem vantagem de 1 a 0, construída na Vila Belmiro, gol de Kaio Jorge. O treinador não esconde a admiração ao uruguaio, ao mesmo tempo que não quer ser incoerente com quem vinha bem e era titular.

Jean Mota ganhou a confiança de Diniz ao se destacar atuando um pouco mais recuado em relação à sua posição original. Sánchez precisou de apenas alguns jogos entrando no segundo tempo para virar "unanimidade" no elenco. Todos o definem como "imprescindível e extremamente útil".

Diniz sempre contou com a volta de Sánchez e se dizia um privilegiado de tê-lo no time. Agora tenta não magoar o titular Jean Mota, ao mesmo tempo em que não quer perder o embalo do uruguaio. "Sánchez tem muita qualidade, está cada vez melhor", reconhece, ainda sem dar pistas do que fará, o treinador.

Não está descartada a possibilidade de ambos entrarem lado a lado, mas quem seria o sacrificado? Abriria mão dos três atacantes ou tiraria o menino Gabriel Pirani, que o técnico reconheceu após o jogo com o Red Bull Bragantino ter caído um pouco de produção?

Camacho ganhou a vaga de Alison, até então intocável, pelo trabalho realizado em campo. Sánchez vem bem, todos sabem que será titular absoluto logo, mas vem recebendo tratamento diferenciado após greve lesão no joelho, para não "estourar". Jean Mota virou um talismã. Diniz começa a decifrar esse enigma na reapresentação do elenco, nesta terça-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.