José Patrício/AE
José Patrício/AE

Volta de Ronaldo ainda é um grande mistério no Corinthians

Adílson Batista adota o mesmo discurso de Mano Menezes e não dá previsão para o retorno do Fenômeno aos gramados

RAFAEL VERGUEIRO, limão.com.br

30 de julho de 2010 | 14h00

SÃO PAULO - A Copa do Mundo passou, o Corinthians até já trocou de treinador e a eliminação da Copa Libertadores no ano do centenário já é parte do passado, mas pelo menos uma coisa continua igual pelos lados do Parque São Jorge: a indefinição quanto ao retorno de Ronaldo.

Veja também:

linkRoberto Carlos deve ser substituído por Leandro Castán ou Danilo

linkAdílson: ‘Peço desculpas pela derrota na Libertadores 2000’

Ele não entra em campo desde o dia 9 de maio, quando fez dois gols no Estádio do Pacaembu e decretou a vitória corintiana por 2 a 1 contra o Atlético Paranaense, na primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Nesta semana, Ronaldo finalmente voltou a treinar com bola e frequentou o gramado na terça, quarta e quinta-feira. Nesta sexta, apenas ficou na academia ao lado de Roberto Carlos e Dentinho, que estão suspensos e também não enfrentarão o Palmeiras no clássico do próximo domingo, às 16 horas.

O técnico Adílson Batista, que assumiu o Corinthians na última terça, já adotou o mesmo discurso do antecessor Mano Menezes. "Não vou falar o dia em que ele vai voltar, isso é algo que nós temos que trabalhar internamente, com departamento médico e fisiologista", declarou o treinador, que pretende ajudar o Fenômeno.

"A semana dele foi muito boa, agora a gente espera que nos próximos dias ele tenha um crescimento no aspecto físico", afirmou o comandante. No clube, chegou a ser cogitada a possibilidade de o craque retornar no próximo dia 8, contra o Flamengo, no Pacaembu. Adílson preferiu não falar nada sobre o assunto e apenas disse que Ronaldo deve voltar aos poucos - nos primeiros jogos, não deve ficar em campo durante os 90 minutos.

No entanto, Adílson deixou claro que, apesar da desconfiança da torcida, ainda acredita muito em Ronaldo. "Ele certamente será importante no decorrer do Campeonato Brasileiro".

Quando ainda era zagueiro, Adílson trabalhou com o Fenômeno no Cruzeiro no início dos anos 90 - na época, o atleta, hoje estrela do futebol mundial, dava seus primeiros passos. "É uma grande satisfação reencontrá-lo aqui", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.