Volta de titulares deixa Santos mais confiante

Rodrigo Souto e Wesley têm seus retornos confirmados para a partida diante do São Caetano

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

14 de março de 2008 | 19h34

Rodrigo Souto foi um dos primeiros jogadores a entrar em campo no treino da tarde desta sexta-feira, no Centro de Treinamento Rei Pelé. Participou de uma atividade com bola e de algumas brincadeiras, e se comportou como se nada de anormal tivesse acontecido entre a noite de domingo e a sua volta às atividades no clube. A única mudança foi que, pela primeira vez, ele se recusar a falar com jornalistas. Mas, como Leão antecipou na coletiva após o jogo contra o Mirassol, o volante será a principal novidade do time contra o São Caetano, neste domingo, às 16 horas, no estádio Bruno José Daniel, em Santo André. Outro que estará de volta ao time é o garoto Wesley, que cumpriu suspensão na quinta-feira.Veja também: Confiante na classificação, Leão confirma retorno de Souto Leão comemora o crescimento a 'conta-gotas' do SantosSe a desistência do Lokomotiv de contratar Rodrigo Souto ainda não foi absorvida pelos dirigentes santistas, que sonhavam com o R$ 15,5 milhões para por a casa em ordem, para o volante o a transferência que não se concretizou faz parte do passado. "Rodrigo me disse que o que aconteceu foi vontade de Deus e que ele não tem como mudar. Por isso, vai continuar a sua vida normalmente no Santos", disse o procurador do jogador, Anselmo Paiva, nesta sexta.A versão do procurador para que as negociações fracassassem é que os representantes do clube russo ficaram de se encontrar com ele e Rodrigo Souto na tarde quarta-feira e simplesmente desapareceram. O embarque para a Rússia estava marcado para a meia-noite, mas quando Paiva soube que o Lokomotiv havia contratado o argentino Guillermo Pereyra, do Mallorca da Espanha, por três milhões de euros, convenceu-se de que o negócio havia ‘melado’.A presença de Rodrigo Souto no meio-de-campo faz com que aumente a confiança dos santistas na classificação às semifinais do Campeonato Paulista. Ganhar os cinco jogos restantes passou a ser uma obsessão dos jogadores. Ninguém quer ouvir falar sobre os cálculos dos matemáticos e de projeções, preferindo acreditar no poder de reação da equipe. A vitória por 2 a 1 contra o Mirassol, na quinta-feira, com dois gols marcados em cinco minutos, num jogo que já parecia perdido, foi vista como indicativo de que o time vai conseguir somar os 15 pontos necessários na reta de chegada da fase de classificação."Não sei o que aconteceu com Rodrigo Souto, mas mesmo assim fico chateado. O importante é que ele voltou e vai nos ajudar já no difícil jogo contra o São Caetano e nos outros quatro da fase de classificação", disse o meia Wesley, garoto que corre durante os 90 minutos.Satisfeito por ser apontado pelo exigente Leão como a maior revelação santista neste início de temporada, o atacante diz que apenas procura fazer o que o técnico determina. "Sem essa de Wesley e mais dez. Sou apenas mais um no time. Dizem que eu corro pelo Molina e se isso acontece tenho que agradecer a Deus que me deu fôlego para desempenhar bem a função", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
Paulistão A-1Santos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.