Rubens Chiri / São Paulo FC
Rubens Chiri / São Paulo FC

Volta dos treinos em SP tem times confinados e trabalhos em cidades na 'zona vermelha' da covid-19

Clubes da elite do futebol paulista estão liberados para realizar suas atividades a partir desta quarta-feira

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2020 | 18h29

O início do mês de julho também representa aos clubes da elite do futebol paulista o começo de uma nova fase. A partir desta quarta-feira, os times participantes da Série A1 do Estadual estão liberados para realizar treinos, conforme decreto do governador João Doria. É um passo importante para a retomada da competição, ainda que cheia de restrições e, na visão de algumas equipes de São Paulo, com atraso, especialmente porque Estados como Minas Gerais e o Rio de Janeiro estão bem mais avançados na volta das atividades. O Rio já retomou a disputa.

Nessa volta, porém, será tudo bem diferente do que era feito até março. Exceto para os atletas no momento em que estiverem em campo, o uso de máscaras será obrigatório. Além disso, a presença de profissionais será mínima, o que exclui, por exemplo, a participação da imprensa no acompanhamento dos trabalhos.

Os treinos, inicialmente, serão individuais e físicos, com quatro atletas em campo dividido. Gradativamente e com segurança, serão retomados os trabalhos coletivos. As atividades vão ser sempre em locais abertos nesta fase de retomada. A entrada nos centros de treinamento também se dará por uma única via, com os atletas chegando uniformizados e passando por avaliação da temperatura e sendo questionados sobre os sintomas do coronavírus antes de irem a campo. Os suspeitos terão de fazer exames e deverão ser afastados. Havia, também, uma orientação para que pessoas com mais de 60 anos evitassem a presença nos CTs, mas os veteranos Jesualdo Ferreira (74 anos) e Vanderlei Luxemburgo (68) devem comandar as atividades em Santos e Palmeiras, respectivamente.

A volta é um procedimento formal. Como a marcação da data irritou os participantes do Paulistão e a FPF, que esperavam pelo restabelecimento das atividades antes - há duas semanas, em 17 de junho, o governador João Doria definiu 1º de julho como dia para a volta aos treinos - se buscou acelerar o processo de avaliação física e testagem dos atletas.

Assim, nos últimos dias, os clubes receberam os jogadores após mais de três meses de paralisação para a realização de exames, tanto para a detecção do novo coronavírus quanto para a verificação do estágio físico dos atletas após mais de três meses de praticamente inatividade. Eles treinaram em casa nos últimos meses.

Ainda não há uma data definida para a volta do Paulistão, mas os clubes já pensam na possibilidade. O Mirassol, por exemplo, optou por iniciar um regime de concentração do seu elenco nesta terça-feira, que só se encerrará ao fim da participação do time no Estadual. "Será como em uma pré-temporada, com todos no CT, que reúne todas as condições", explicou Edson Ermenegildo, presidente do clube, ao Estadão. Ele prevê a volta da competição ainda para julho. 

Há os casos dos clubes que estão localizados em cidades da fase 1 (vermelha) do coronavírus. Ituano, Inter de Limeira são dois exemplos, mas obtiveram o aval prévio das respectivas prefeituras para iniciarem os treinamentos. E o Botafogo, mesmo com Ribeirão Preto no estágio mais crítico para a doença, obteve o aval da Justiça, nesta terça, para treinar na cidade. O time, que teve nove casos de covid-19 no elenco, recebeu o convite do América de São José do Rio Preto para trabalhar no estádio Teixeirão. Mas sempre teve o desejo de fazer as atividades em sua cidade-sede e teve êxito nesta demanda.

Essa possibilidade se tornou impossível para o Santo André, pois foi montado um hospital de campanha na estrutura do Estádio Bruno José Daniel. O time, dono da melhor campanha do Paulistão, optou por se concentrar na cidade de Vargem, próxima a Bragança Paulista. A volta também se dá unificada, mas não sem alguma polêmica, afinal, Red Bull Bragantino, Ferroviária e Oeste, como mostrou matéria do Estadão, quebraram o acordo e chegaram, ainda que sem alarde e divulgação, a realizar trabalhos antes do combinado.

O Paulistão foi paralisado a duas rodadas do fim da primeira fase. Caso essa etapa tivesse sido encerrada naquele momento, estariam classificados ao mata-mata Santos, Oeste, Santo André, Palmeiras, São Paulo, Mirassol, Bragantino e Guarani. O Corinthians ocupa apenas a terceira colocação do Grupo D, com 11 pontos e a cinco do clube de Campinas, o segundo colocado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.