Volta Redonda é só alegria pela taça

A inédita conquista da Taça Guanabara, em 29 anos de história, foi festejada pelos jogadores do Volta Redonda como se fosse um título do Campeonato Brasileiro. Os jogadores do time sul-fluminense não esconderam a emoção pela conquista, principalmente o irreverente atacante Túio. Agora, todos já fazem previsões otimistas para o segundo turno do Campeonato Carioca, que começa quarta-feira, contra o próprio Americano, no Estádio Raulino de Oliveira."Ficou provado de que não importa a idade, o tempo. Quando acreditamos no sonho, ele vira realidade", festejou Túlio, aos 35 anos, lamentando não ter marcado o gol prometido durante a semana. "Não saiu o gol Cristiane (em homenagem a sua mulher), mas o Rei do Rio voltou, porque quem foi rei um dia, nunca perde a majestade." Túlio destacou que o fato de o segundo turno do Campeonato Carioca, a Taça Rio, começar na quarta, não dará tempo para o time sentir "o gostinho" da vitória. O artilheiro disse que a equipe precisa vencer o Americano para justificar ainda mais o título.Um dos principais jogadores em campo ontem o goleiro Lugão, natural e residente em Volta Redonda, recordou as dificuldades vividas para se firmar na profissão. Destacou o trabalho e a união do grupo como fatores principais para a conquista da Taça Guanabara.Apsar de ter desperdiçado uma cobrança de pênalti, o capitão e zagueiro do Volta Redonda, o meia Alemão, frisou sua confiança nos companheiros. "Foi um momento difícil, mas falei a eles para vencerem por mim", destacou o atleta. "Chegamos lá porque respeitamos todos os times, inclusive, os grandes." Os jogadores do Volta Redonda isentaram de culpa o juiz Luiz Antonio da Silva Santos, que aos 19 minutos do segundo tempo marcou impedimento e anulou um gol legítimo do meia Gláuber, alegando posicionamento irregular. O atacante Humberto resumiu o sentimento do grupo: "o juiz veio nos pedir desculpas ao final da partida pelo erro. Infelizmente, todo mundo pode errar".Tristeza - O técnico do Americano, Rubens Filho, revelou a decepção pela derrota, mas lembrou que o momento é o de "erguer a cabeça".Elogiou o desempenho dos jogadores de Campos, que tiveram um bom desempenho em campo, mas não conseguiram assegurar a vitória na disputa por pênaltis."Precisamos ter equilíbrio e levantar a cabeça. Somos vice-campeões e quarta-feira começa tudo de novo", ressaltou o técnico do Americano."Não é hora de entrar em desespero, mas o de fazer novamente, no segundo turno, o caminho que nos trouxe até aqui", completou.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2005 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.