Divulgação
Divulgação

‘Voo da alegria’ à Rússia custará até R$ 2,5 milhões

Presidentes de federações e de clubes das Séries A e B vão acompanhar a Copa de graça, a convite da CBF

Almir Leite e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2018 | 17h02

A CBF não confirma os valores, mas a estimativa é que a entidade gastará entre R$ 2 milhões e R$ 2,5 milhões para levar presidentes de federações e de dez clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro para acompanhar in loco na Rússia os três jogos da seleção na primeira fase da Copa do Mundo em Rostov, São Petersburgo e Moscou. Como justificativa para levar os cartolas ao Mundial, a CBF alega que também promoverá uma agenda de trabalho com reuniões e visitas técnicas às instalações que serão utilizadas no evento. Todos os gastos de passagem aérea e hospedagem serão bancados pela entidade.

+ Fifa aplica multa milionária e bane Del Nero do futebol para sempre

+ Poder e influência de Del Nero na gestão de Marin foram decisivos para punição

Após ensaiar um movimento de oposição à atual gestão da CBF antes da eleição de Rogério Caboclo e tentar viabilizar a sua candidatura, o presidente da Federação Paulista, Reinaldo Carneiro Bastos, decidiu recusar o convite da entidade, mas vai à Rússia. “Vou assistir aos três primeiros jogos do Brasil, mas por minha conta.”

Ele, no entanto, defende o convite feito pela CBF para levar os presidentes de federações ao Mundial. “A Copa é um evento que acontece a cada quatro anos. É o maior evento do mundo. Acho a viagem justa, mas tem de ter clareza. Não acho errado, mas a forma precisa ter transparência. Tem de falar as regras. Se a CBF tem certeza que aquilo é correto, não precisa esconder nada”, diz.

Apesar de ter votado em Caboclo, depois que tentou ser presidente da CBF o cartola perdeu a sua cadeira no Conselho da Conmebol. Agora, o novo representante do Brasil no órgão é o coronel Antônio Carlos Nunes, presidente da CBF.

O presidente da Federação Gaúcha, Francisco Novelletto Neto, também considera importante que a CBF leve ele e seus parceiros de entidades estaduais à Rússia durante a Copa.

“É importante porque vamos aprender, nos instruir. Eu trabalho a vida inteira para o futebol sem ganhar um centavo. Nada mais justo’’, disse. “Eu não preciso de dinheiro, eu tenho porque sou empresário bem-sucedido, mas é justo.’’

Ele vai assistir apenas aos dois primeiros jogos da seleção, contra Suíça e Costa Rica, pois tem compromissos no Brasil. “Mas depois eu vou voltar nas quartas de final e levarei 12 funcionários da minha empresa, que eu convidei. Todas as despesas serão pagas por mim.’’

Os clubes que tiveram presidentes sorteados para ir à Rússia são: Atlético-MG, Bahia, Atlético-PR, São Paulo, Ceará, Avaí, Guarani, CRB, Brasil-RS e Paysandu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.