Vou apostar em Ronaldo, diz Parreira

Parreira vai bancar Ronaldo o quanto for possível. Para o técnico da Seleção, o atacante é injustiçado, principalmente em seu próprio país. ?Ele é o melhor do mundo, mas aqui no Brasil parece que temos dificuldade em admitir isso?. Em entrevista exclusiva à Agência Estado, Parreira diz também que é preciso ?aprender a conviver com a celebridade? que é o Real Madrid.Agência Estado - Muitos criticam os dois Ronaldos por não renderem na Seleção o que rendem nos clubes. O que acha disso?Parreira ? É óbvio que faz muita diferença a falta de treinos, o dia-a-dia do clube, a seqüência de jogos... é importante dizer também que ninguém tenta inibir o Ronaldinho para que ele não faça as jogadas e dribles que faz no Barcelona. Ele não faz isso porque não tem na Seleção o mesmo entrosamento que tem com os jogadores do clube dele.AE - E o Ronaldo?Outro dia o Real perdeu e todos falaram que o Ronaldo foi mal. Vi o jogo e, na minha opinião, ninguém foi bem. Mas só se falou que o Ronaldo foi mal.AE - Acha que ele está em boa fase?O Ronaldo passou por um turbilhão com o casamento, mas, mesmo assim, continuou jogando normalmente. Tenho informações de que ele até perdeu peso.AE - É titular absoluto da Seleção?Não gosto desse termo. O importante é entender que o Ronaldo é dos grandes jogos. No momento difícil, aparece e resolve. Enquanto puder, vou apostar nele e não vou sacrificá-lo em nenhum momento.AE - O Ronaldo é injustiçado?Olha, no futebol mundial não há um atacante como o Ronaldo. O mundo inteiro valoriza isso. O Brasil, não. Parece que a gente tem dificuldade para admitir que o Ronaldo é um jogador excepcional.AE - O Adriano se machucou, mas vinha bem. Ele pode tomar o lugar do Ronaldo em breve? Pergunte ao mundo: ?Quem é melhor, Ronaldo ou Adriano??AE - O Ronaldo ainda está muito na frente do Adriano então?Faça essa pergunta para o mundo: ?Quem é melhor, Ronaldo ou Adriano?? (irritando-se) AE - Posso fazê-la para você ?Não vou comparar jogadores de Seleção. Não faço isso. Posso falar que o Ronaldo é movido a desafios e aparece nos grandes momentos.AE - Você acha que os fatores extra-campo podem prejudicá-lo?Se forem mal conduzidos, sim. Mas ele conduz bem. Desde que o conheço, ele não sai da mídia. Temos que aprender a conviver com a celebridade que ele é. É complicado ser o Ronaldo. Se eu, que não sou celebridade, tenho 500 compromissos por semana, imagina ele! É um dos rostos mais conhecidos do mundo!AE - Você dá conselhos para ele?Não.AE - Já deu?Na Copa de 94, todos queriam o Ronaldo. Tive uma conversa com o empresário dele, que é meu amigo, o Reinaldo Pitta. No final, foi ótimo o Ronaldo ter ido para o PSV, da Holanda. Se fosse de cara para Itália ou Alemanha, talvez não fosse bem. O choque seria grande.AE - E o que esperar do Ronaldo na Seleção neste momento?O Ronaldo e o Ronaldinho são jogadores individualistas. Não adianta ensinar tática para o Ronaldo. O negócio é bola no pé dele. O Zico já me falou: ?Parreira, nunca vi um atacante se posicionar tão bem como o Ronaldo. É impressionante! Nunca está impedido e pega sempre o ponto morto do zagueiro?.AE - Então são nove para correr e os dois Ronaldos para brilhar?Não é preciso defender com mais do que oito jogadores. E aí o Ronaldo e o Ronaldinho fazem o papel deles, de individualistas.AE - E o Kaká, onde se encaixa?O Kaká é meio-termo. Brilha taticamente e também no individual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.