Thiago Moreira/Vasco.com.br
Thiago Moreira/Vasco.com.br

Wagner vê clássico como teste para jogo do Vasco pela Libertadores

Equipe enfrenta o Fluminense uma semana antes de encarar a Universidad de Chile

Estadão Conteúdo

05 Março 2018 | 18h02

A vitória por 4 a 3 sobre o Boavista, domingo, em Cariacica (ES), colocou o Vasco na liderança do Grupo B da Taça Rio, mas foi assegurada com muita dificuldade. Por isso, o meia Wagner destacou que o time precisa minimizar os erros para o clássico de quarta-feira com o Fluminense, no Engenhão, encarado por ele como uma grande teste para o confronto com a Universidad de Chile na semana seguinte, na estreia da equipe na fase de grupos da Copa Libertadores, ainda mais que os adversários atuam com esquemas táticos semelhantes.

+ Zé Ricardo celebra virada, mas diz que Vasco precisa seguir evoluindo

"Em clássico tudo pode acontecer. O que temos que fazer é entrar ligado desde o início e não dar bobeira. O erro tem que ser zero. Sobre a forma do Fluminense jogar, com três zagueiros, já estamos trabalhando há algum tempo porque a LaU joga assim. O Zé passou vídeos e já falamos de como precisa ser o nosso posicionamento contra equipes que jogam assim. Será uma prova antes da Libertadores e queremos passar bem dela. Vamos procurar vencer para adquirir um pouco de tranquilidade para a sequência do campeonato", afirmou.

Após eliminar Universidad de Concepción e Jorge Wilstermann nas fases preliminares da Libertadores, o Vasco está prestes a estrear em um dos grupos mais complicados da competição, que também conta com Cruzeiro, Racing e a Universidad de Chile. Wagner pediu respeito ao seu time, encarado como zebra por muitos, e apontou que a jogada aérea será um dos trunfos nos duelos com esses oponentes.

"São nesses grandes desafios que conseguimos mostrar valor e moldar campeões. Ficamos felizes por termos caído num grupo forte, até porque vamos passar de fase e demonstrar a capacidade do nosso grupo, onde podemos chegar. Muita gente está colocando a gente como azarão, tudo bem, respeitamos, mas vamos trabalhar e mostrar tudo dentro de campo. Temos acompanhado os jogos e muitos gols estão saindo de bola aérea. Temos treinado bastante bolas ofensivas e os gols já começaram a sair, mas queremos melhorar ainda mais. Numa competição como a Libertadores, não é fácil chegar no gol adversário, então quando as chances aparecerem, temos que aproveitar", declarou.

Mais conteúdo sobre:
Vasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.