Washington e Dininho: pertos do Parque

Continuam os contatos da diretoria do Corinthians para contratação do atacante Washington e do zagueiro Dininho, ambos no futebol japonês. O clube brasileiro já tem até os preços exigidos pelo Verdy Tokyo e Sanfrecce Hiroshima. Pelos gols de Washington, o clube japonês pede US$ 2,5 milhões (R$ 6 milhões). A MSI aceita pagar a quantia dividida em cinco vezes e mais R$ 1,6 milhão por ano ao atleta. Com Dininho seria mais simples. Apenas US$ 300 mil (R$ 720 mil) ao Sanfrecce e mais R$ 1 milhão ao São Caetano, que ainda tem direitos sobre o atleta. Quem está cuidando da transação é o vice de futebol, Andres Sanchez. O diretor da MSI, Paulo Angioni, aprovou os nomes, mas exige que os clubes japoneses baixem suas pretensões. Animado com a repercussão de sua briga com Kia Joorabchian por causa da assinatura do contrato de publicidade com a Samsung, o presidente Alberto Dualib já avisou que deseja a contratação da dupla. Segundo definição do dirigente a amigos, os dois têm a cara do Corinthians. Dininho e Washington disseram a seus empresários que desejam voltar ao Brasil. O atacante afirmou a Gilmar Rinaldi que sua família não consegue se adaptar no Japão. Já Dininho ressaltou a Marcelo Robalinho que pode ganhar o mesmo salário que recebe no Japão e ainda atuar em São Paulo. Está interessadíssimo. Depois da desilusão com Vagner Love e com França, o técnico Márcio Bittencourt recebeu a recomendação de não comentar sobre a tentativa de reforçar o time com os nomes indicados por ele. "Eu não falo sobre reforços. Não é minha função. Deixo isso para a diretoria. O Vagner Love já foi uma novela. Ficamos todos esperando, e nada. Agora, não vou falar mais. Até para dar moral a quem já está aqui. Vou esperar para ver o que acontece." O desfecho das negociações deve ocorrer no início da próxima semana. Tudo dependerá da disposição de Kia em pagar o que os clubes japoneses estão pedindo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.