Washington vira vilão na Ponte Preta

De herói a vilão em apenas uma semana. Essa é a situação vivida por Washington, goleador da Ponte Preta e vice-artilheiro do Campeonato Paulista, com seis gols. Ele errou um dos pênaltis na decisão do ponto extra contra o Botafogo, em Ribeirão Preto, e acabou decepcionando a torcida."Acho que o mérito foi do goleiro. Ele é muito grande e caiu bem na bola", explicou o atacante, nesta segunda-feira, garantindo que nada disso vai tirar seu entusiasmo na luta pela artilharia do Campeonato Paulista. Nem mesmo as possíveis críticas por perder um pênalti o deixam preocupado."A vida de centroavante é assim mesmo. A gente tem sempre que marcar gols", comentou. Até domingo, Washington tinha marcado todos os gols da Ponte neste campeonato. O atacante Macedo quebrou o jejum ao fazer o gol de empate com o Botafogo, em 1 a 1.O retrospecto do artilheiro é muito favorável. Em 42 jogos com a camisa da Ponte ele já marcou 30 gols, com uma média de 0,71 por jogo. Ano passado, ele fez 16 gols na Copa João Havelange, se tornando o maior artilheiro do clube em campeonatos nacionais. O recorde anterior era de Chicão, ex-Santos, Coritiba-PR e Botafogo-RJ, que marcou 13 gols no Campeonato Brasileiro de 1986.A chance de recuperação de Washington será contra o Palmeiras, sábado, em Campinas. Para este jogo, a Ponte terá a volta do zagueiro Ronaldão e do lateral-esquerdo Wágner, que cumpriram suspensão automática. O zagueiro Alex Oliveira e o volante Fabinho, machucados, preocupam o técnico Nelsinho Baptista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.