Weah vai deixar a seleção e a Libéria

O atacante George Weah anunciou hoje que vai deixar a seleção da Libéria, onde acumula as funções de técnico e jogador. Weah, maior símbolo do país, disse que está magoado depois de ameaças que ele e parentes seus sofreram após a derrota para a seleção de Gana nas eliminatórias da zona africana, que reduziu as chances de a Libéria disputar a Copa do Mundo de 2002. Weah disse ainda que pretende deixar o país por causa disso. ?Acabou. Só vou ficar até a partida de Freetow (14 de julho, contra Serra Leoa) e depois disso não treinarei, nem jogarei mais pela seleção?, disse o jogador. O procurador do atacante, Adrian Hoff, disse que Weah está muito magoado com a torcida liberiana. Segundo Hoff, torcedores atiraram pedras na mãe dele e ameaçaram queimar seu carro, inconformados com a derrota da equipe. ?Eu não posso admitir uma coisa dessas. É inaceitável que minha mãe possa sofrer algum tipo de ameaça. Vou deixar a Libéria e me mudar para os Estados Unidos, onde levarei minha vida??, prometeu o jogador.A Libéria tem poucos chances de classificação para o Mundial. Além de vencer Serra Leoa, precisa ainda de uma combinação de resultados. Os liberianos nunca disputaram uma Copa do Mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.