Wellington Monteiro credita bom momento a Parreira

Estava complicado para Wellington Monteiro se firmar no Fluminense. O jogador chegou em 2008 nas Laranjeiras e, desde então, não havia conseguido firmar uma boa sequência de jogos no time titular - no começo de 2009, chegou a jogar improvisado na lateral-direita. A vinda de Carlos Alberto Parreira, no entanto, mudou o panorama. O atleta foi fixado como volante e reencontrou seu melhor futebol.

AE, Agencia Estado

16 de junho de 2009 | 16h00

"A gente espera manter isso. O professor Parreira está me dando uma sequência e com isso estou evoluindo. Fisicamente eu já estava bem, acho que o esquema que ele adotou é que está favorecendo. O time está muito compacto, joga todo mundo juntinho e fazendo tudo que ele vem pedindo", analisa.

A chegada de Fábio Santos e a recuperação de Diguinho devem tumultuar a concorrência pela posição, o que deverá exigir esforço ainda maior do atleta. "Não posso dar brecha, tenho que matar um leão por dia para chamar a atenção do treinador. O Fluminense tem vários jogadores qualificados", salienta.

O volante destaca também a participação defensiva de Fred e Thiago Neves, que voltam sempre para marcar e, dessa maneira, contribuem para o bom desempenho da retaguarda da equipe - com cinco gols tomados, é a terceira defesa menos vazada do Campeonato Brasileiro. "O Fred e o Thiago ajudam na marcação e isso facilita também a zaga. Temos que manter os pés no chão, ainda tem muita coisa pela frente e é só seguirmos o que o Parreira vem dizendo para chegarmos lá", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.