Mailson Santana/Fluminense
Mailson Santana/Fluminense

Wellington Silva prega cuidado ao Flu em semifinal contra o Madureira

Atacante acredita que partida será "como um clássico"

O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2017 | 20h42

Não será um clássico e nem um duelo contra um rival de renome. Mas o confronto do Fluminense contra o Madureira requer cuidado e empenho, afirmou o atacante Wellington Silva, nesta quinta-feira, ao fim do treino da equipe tricolor. O Madureira será o adversário do Flu na semifinal da Taça Guanabara, no sábado, no estádio de Los Larios, em Duque de Caxias.

"São quatro grandes [no Rio], normalmente seriam eles na semifinal, mas o Madureira chegou. É um grande clube, trabalha bem. Temos que ter cuidado. Não vai ser fácil. Para nós, é como se fosse um clássico. Estamos vendo os jogos do Madureira e respeitamos muito", pregou Silva.

O Madureira avançou à semifinal da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca, ao superar o Botafogo no Grupo B. O time registrou a segunda melhor campanha da fase de grupos, credenciando-se para um duelo equilibrado contra o Fluminense.

"Não tem jogo fácil. Cada jogo temos que encarar com vontade e raça, sempre respeitando o adversário. O campo é apertado, o Madureira ataca bem, temos que dar o nosso melhor. A campanha boa, mas se perdemos esse jogo vai tudo por água abaixo. Temos a vantagem do empate, mas vamos buscar a vitória", disse Wellington Silva.

A outra semifinal terá o clássico entre Vasco e Flamengo, no mesmo dia, mas em Volta Redonda, no estádio Raulino de Oliveira. O clássico anterior, entre Botafogo e Flamengo, ainda pela fase de grupos, ficou marcado pela briga de torcida que resultou na morte de um torcedor, no dia 12, após partida disputada no Engenhão.

Por essa razão, os clubes iniciaram uma campanha pela paz nos estádios nestas semifinais da Taça Guanabara. Para Wellington Silva, será uma boa oportunidade para a torcida fazer festa, e não promover violência.

"Futebol é um show, é espetáculo. Não tem que ficar brigando, um matando o outro. Claro que ficamos tristes. Temos que pedir a cada torcedor para que vá apenas torcer. Futebol é uma arte, temos que aproveitar que a vida passa rápido. As pessoas precisam ter mais consciência. Tem que ir ao estádio festejar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.