Wendell Lira admite ansiedade por Bola de Ouro e quer foto com Messi

'Estou pronto para embarcar', diz atacante goiano

RUBENS SANTOS, Estadão Conteúdo

30 Novembro 2015 | 17h45

Depois do anúncio de seu nome entre os três finalistas do Prêmio Puskas, da Fifa, o atacante goiano Wendell Lira, autor de um dos 10 gols mais bonitos do futebol mundial, este ano, já está de malas prontas para embarcar para Suíça. "Estou ansioso, claro", disse nesta segunda-feira. "Mas, já estou à espera da passagem aérea e pronto para embarcar", garante. A premiação será entregue em 11 de janeiro.

Além da passagem aérea e pagamento da diária no hotel, em Genebra, Wendell já está treinando um sorriso largo, para fotos ao lado de Messi e Florence, os outros finalistas. E, para o seu dia de estrela, também quer fotos ao lado de Cristiano Ronaldo e do brasileiro Neymar, para ele um fora de série.

No dia de visibilidade mundial, o jogador de Goiás, que assinou contrato com o Vila Nova para 2016, já sabe que sua repentina notabilidade se deve ao esforço de muitos admiradores, do Brasil: "Não tenho como agradecer a todos", disse ele ao Estadão. "Mas, espero fazer um ano maravilhoso, em 2016, como agradecimento a tantas pessoas que me apoiaram, votaram e pediram votos", comentou.

No Estado que já teve estrelas como Túlio Maravilha, que ganhou fama no País jogando no Botafogo, e Fernandão, no Inter, Wendell Lira ganhou projeção ao ser relacionado entre os 10 gols mais bonitos, este ano, pela Fifa. O gol foi marcado aos 11 minutos do segundo tempo. De meia bicicleta, deu a vitória ao Goianésia no jogo confronto com o Atlético (GO).

FUTURO

Agora, ele viaja após assinar contrato com o Vila Nova, de Goiânia: "A minha família, que é vilanovense, me pediu e aceitei", diz ele. O time faturou o título do Brasileirão da Série C deste ano e jogará a Série B do ano que vem.

"Agora, eu tenho um contrato e um time", disse o atacante para O Estado. "Lá na Suíça. quando me perguntarem qual é o meu time, vou responder: Sou do Vila Nova, de Goiás, do Brasil", diz.

O jogador tem muito a festejar. E a notoriedade recente o ajudou a superar uma fase de indecisões, tristezas, e uma sequência de contusões que sofreu, e a dificuldade para assinar um contrato após o campeonato regional do ano passado, quando defendeu o Goianésia.

"Agora estou em forma", acredita. Cheio de moral, também acredita que o namoro com a torcida colorada, o contrato e a notoriedade por entrar na finalíssima do Prêmio Puskas da Fifa, poderá ajudar a construir um futuro melhor para sua família. Além de dar mais força ao sonho de marcar outros gols, jogando em casa. Já sabe, também, o que fazer se conquistar o Prêmio Puskas: "Meu objetivo é o de estar mais perto da minha família, e da torcida do Vila Nova", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.