Wenger elogia jovens do Arsenal e lamenta eliminação

Poucos times no mundo batem tanto na trave quanto o Arsenal. A equipe, uma das mais ricas do mundo, participa há 15 temporadas seguidas da Liga dos Campeões, terminando sempre entre os melhores do Campeonato Inglês. Mas não levanta uma taça desde 2005. Nesta quarta, o time de Arsène Wenger morreu na praia de novo. Venceu o Bayern por 2 a 0 em Munique e ficou a um gol de uma classificação às quartas de final.

AE, Agência Estado

13 de março de 2013 | 20h08

O resultado surpreendente, depois de uma derrota por 3 a 1 no jogo de ida das oitavas de final, no Emirates Stadium, deixou Wenger esperançoso. "Acredito que passamos perto, muito perto. Não fomos felizes em alguns momentos. Acho que se tivéssemos aproveitado a chance com Gervinho, ou se tivéssemos mais uma ou duas peças, teríamos ido melhor. Os jovens mostraram que estão indo muito bem", apontou o treinador.

Na análise de Wenger, a derrota em Londres por 3 a 1, há duas semanas, foi decisiva na eliminação do Arsenal pela terceira vez seguida nas oitavas de final. "No geral, fizemos um bom jogo. O arrependimento fica pelo que não fizemos no primeiro jogo, quando sofremos um gol logo no início."

A queda do Arsenal coloca fim à participação da Inglaterra na Liga dos Campeões. O país que tem o campeonato mais rico do mundo não tem representantes nas quartas de final, o que não acontecia desde 1996.

"É uma decepção enorme para futebol inglês, um grande sinal de alerta. O resto da Europa tirou a diferença. Temos que levar isso em consideração quando consideramos o futuro do Campeonato Inglês", ponderou o técnico do Arsenal, que acredita que a sua equipe vai reverter a diferença de cinco pontos em relação ao Chelsea para conseguir a vaga na Liga na próxima temporada. "Estou absolutamente confiante. Temos tudo para voltar a esta competição."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolArsenalLiga dos Campeões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.