Will Oliver/EFE
Will Oliver/EFE

Wenger exalta Özil no Arsenal e compara meia a Bergkamp

Alemão exibe futebol que levou time londrino a tirá-lo do Real

Estadão Conteúdo

29 de dezembro de 2015 | 10h10

Demorou, mas enfim Mesut Özil causou o impacto no futebol inglês que se esperava quando ele chegou ao Arsenal em 2013. As atuações inconsistentes do alemão, apesar do seu talento e visão de jogo, chegaram a levantar questionamentos. Não mais, afinal, agora ele parece estar exibindo o futebol que levou o time londrino a tirá-lo do Real Madrid e o torna a esperança do Arsenal de faturar o seu primeiro título do Campeonato Inglês desde 2004.

Na última segunda-feira, ele voltou a brilhar ao marcar um gol e criar a jogada do outro na vitória por 2 a 0 sobre o Bournemotuh, que deixou o Arsenal, mesmo que provisoriamente, na liderança do Campeonato Inglês. E a sua atuação foi elogiada até pelos adversários. "Como técnico adversário, eu não gostei da sua performance", disse o treinador do Bournemouth, Eddie Howe.

Arsène Wenger, o responsável por fazer o Arsenal desembolsar 42 milhões de libras por Özil, certamente aprovou. Nesta temporada, o alemão deu 16 assistências e anotou três gols, sendo o responsável por controlar o jogo, encontrar os espaços e ditar o ritmo do time londrino, como foi destacado pelo treinador.

"Uma coisa que eu gosto muito é o timing de seus passes", disse Wenger. "Se você está pensando na posição que ele tem que colocar a bola agora, esse é o momento em que ele faz isso. Você ainda não terminou de pensar e a bola passou. Isso é difícil de conseguir".

Empolgado com as performances de Özil, Wenger chegou a compará-lo com Dennis Bergkamp, um dos maiores nomes da história do Arsenal. "Sim, ele me lembra Bergkamp", disse Wenger. "Bergkamp foi mais goleador do que ele e Özil é mais das assistências, mas agora Özil está se tornando mais goleador, então eles são realmente comparáveis", completou.

Wenger aproveitou o ótimo momento de Özil para atacar os que o criticaram por contratá-lo. "No geral, ele é um jogador completo", continuou. "Eu não vi muitos jogadores da sua qualidade. Ele é um jogador excepcional e você tem que me dar crédito. Eu sempre defendi esse ponto de vista, mesmo quando as pessoas estavam céticas", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.