Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Werley descarta 'fazer contas' sobre rebaixamento e diz: 'Vasco depende só de si'

Zagueiro lembra que a equipe carioca depende apenas de seus resultados para se manter na Série A

O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2018 | 17h50

O empate diante do Internacional na última sexta-feira e os outros resultados da rodada deixaram o Vasco a apenas um ponto da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Com 35, a equipe é a 13.ª colocada da competição e, por isso, precisa da vitória no clássico com o Fluminense, neste sábado, no Maracanã. Apesar da situação perigosa, Werley garantiu que ninguém em São Januário está "fazendo conta" para não cair.

"A gente não tem feito contas. Temos que procurar fazer nossa parte, não dependemos de ninguém. Temos que trabalhar para sair logo dessa situação", declarou nesta segunda-feira. "Jogo contra o Inter nos deu confiança, mostrou que estamos no caminho certo. Mas falta o principal: a vitória."

Com os últimos resultados, o Vasco tem 40% de chance de cair, número que não assusta o zagueiro. "Porcentagem é relativa. De uma rodada para outra, muda muita coisa. Estamos focados no jogo contra o Fluminense. Precisamos ganhar para nos afastar da zona de rebaixamento."

Se o momento não é dos melhores, nas últimas partidas ao menos a defesa vascaína tem apresentado melhora. Depois de ser uma das piores do campeonato, está com média de um gol sofrido por partida nos últimos nove jogos. Werley explicou que parte desta evolução vem de seu entrosamento com Leandro Castán, construído ainda nas categorias de base do Atlético-MG.

"A gente vem trabalhando muito forte. Nos conhecemos desde a base do Atlético-MG. Procuramos evoluir a cada dia, nos cobramos muito. Tomara que não haja lesão para termos uma sequência no Brasileiro", apontou. "Nós dois somos muito competitivos. Ele é dois anos mais velho, então, quando tinha jogo de juvenil contra os juniores, era bravo. Fico feliz de reencontrar um cara com quem cresci junto."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.