Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Andrew Couldridge/Reuters
Andrew Couldridge/Reuters

West Ham anuncia redução salarial e receberá aporte de R$ 190 milhões

Mark Noble, capitão da equipe, salienta que medida ajuda a garantir que os funcionários continuem recebendo seus salários durante a paralisação

Redação, Estadão Conteúdo

11 de abril de 2020 | 10h52

O West Ham repetiu o que fez o Southampton na última quinta-feira e anunciou que seu elenco, comissão técnica e os diretores vão ter parte de seus salários cortados. A medida visa tentar equilibrar as finanças em meio à pandemia do novo coronavírus. O clube inglês informou que todo os jogadores terão redução salarial, mas não revelou a porcentagem do corte.

"Estou orgulhoso de que toda a nossa equipe tenha deixado claro seu forte desejo de fazer nossa parte para ajudar a apoiar os outros através deste situação", disse Mark Noble, capitão da equipe, salientando que a medida ajuda a garantir que os funcionários continuem recebendo seus salários integralmente durante a paralisação dos campeonatos.

O vice-presidente Karren Brady, o diretor financeiro Andy Mollet e o técnico David Moyes aceitaram uma redução de 30% em seus vencimentos. Além disso, os empresários e proprietários da equipe, David Sullivan e David Gold, e outros acionistas concordaram em injetar 30 milhões de libras (cerca de R$ 190 milhões) para ajudar a garantir a estabilidade financeira do clube.

O West Ham afirmou que "as economias geradas pela medidas tomadas apoiarão toda a infraestrutura do clube e nos permitirão manter empregos e continuar pagando 100% dos salários dos funcionários". O clube londrino afirmou que a decisão também ajudará a continuar com as doações destinadas às pessoas mais vulneráveis.

Até aqui, de todos os times do Campeonato Inglês, apenas Southampton e West Ham anunciaram cortes nos pagamentos dos jogadores. Por enquanto, boa parte dos atletas vêm resistindo à pressão de terem seus pagamentos adiados ou aceitarem redução salarial.

Inicialmente, os jogadores da elite do futebol inglês rejeitaram uma proposta das agremiações para cortar seus pagamentos em 30% durante a pandemia do coronavírus, com o sindicato dos atletas alegando que o governo perderia mais de 200 milhões de libras (mais de R$ 1,312 bilhão) em impostos.

No entanto, depois de muitas críticas, os atletas do Campeonato Inglês se uniram e lançaram o Players Together (Jogadores Juntos), projeto que visa a criação de um fundo para destinar doações ao Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, na sigla em inglês) durante a pandemia da covid-19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.