Giuliano Gomes/Estadão
Giuliano Gomes/Estadão

Weverton diz: 'Sabendo as características do batedor, te ajuda a controlar a ansiedade

Goleiro do Atlético-PR fala como consegue ter bom desempenho em cobranças de pênaltis

Entrevista com

Weverton, goleiro do Atlético-PR

Ciro Campos, Daniel Batista e Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2017 | 17h00

Goleiro campeão olímpico pela seleção brasileira, brilhando na decisão por pênaltis contra a Alemanha, Weverton acredita que os goleiros estão mais preparados e por isso, o desempenho em cobranças de pênaltis têm sido melhor. Em entrevista ao Estado, o jogador do Atlético-PR também destaca a necessidade de estudar o adversário, para tentar surpreendê-lo no momento da cobrança.

O Brasileiro está com um elevado número de pênaltis perdidos. É mérito dos goleiros ou culpa dos atacantes?

Acredito que os goleiros estão mais bem preparados. Hoje, avançamos muito nessa área e é muito mais fácil estudar os principais batedores. Isso tem ajudado quem defende e complica um pouco mais para quem corre para bater o pênalti, né? Para se ter uma ideia, muitos goleiros estão pegando cobranças batidas no meio do gol. Isso não acontecia e é resultado de estudo. 

Como especialista em defender cobranças, que tipo de preparação você considera importante para o sucesso do goleiro nos pênaltis? 

Além de muito treino, é preciso se dedicar em estudar o adversário. Sabendo as características do batedor, facilita muito. Te ajuda, inclusive, a controlar a ansiedade. A responsabilidade é de quem bate. Se você joga toda essa carga para o jogador que fará a cobrança, vai muito mais calmo para o lance. Calma e frieza são características importantes para qualquer goleiro e ela aparece muito mais nessas horas.

Você, como goleiro, costuma conversar com os batedores do Atlético-PR para trocar experiência sobre a melhor forma de evitar o desperdício de pênaltis?

Sim, conversamos sempre, porque facilita para o atacante saber como funciona a cabeça de um goleiro e, para a gente que está no gol, ajuda a identificar as características de um batedor. Por isso, ajudamos uns aos outros. Todo esse preparo, aliado ao instinto do goleiro no momento da tomada de decisão, tem dificultado para o batedor. Quanto mais recursos tivermos para defender, pior será para os cobradores, que terão de variar as cobranças e, nessa tentativa, estão sujeitos a cometer algum erro. Do outro lado, temos de ajudar os companheiros a colocar a bola para dentro. 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
FutebolSeleção brasileira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.