César Greco / Agência Palmeiras
César Greco / Agência Palmeiras

Weverton pede calma ao Palmeiras, mas cobra resposta rápida: 'Temos de melhorar'

Equipe foi derrotada em casa pelo Cuiabá e pode ver Atlético-MG disparar na liderança do Brasileirão

Redação, Estadão Conteúdo

22 de agosto de 2021 | 14h21

O goleiro Weverton reconheceu que o Palmeiras precisa dar uma reposta rápida no Campeonato Brasileiro após somar o quarto jogo seguido sem vitória. Com somente um ponto somado nos últimos 12 disputados, o time tem de reagir imediatamente após perder, dessa vez, para o Cuiabá, por 2 a 0, no Allianz Parque.

Mesmo evitando clima de caça às bruxas e vendo uma boa apresentação do Palmeiras neste domingo, Weverton sabe que a falta de resultados pesa e, apesar de pedir calma, exige uma resposta do grupo já na visita ao Athletico-PR, no sábado.

"A gente se cobra bastante, temos de melhorar, não podemos ficar muito tempo sem pontuar", assumiu o goleiro. "Em competição por pontos corridos, não dá para perder esses tipos de jogos, com todo respeito ao Cuiabá, que teve seus méritos", afirmou o goleiro. "Infelizmente nossa bola não quis entrar, todos viram a luta e o empenho do time, o Walter fez grandes defesas."

O goleiro admitiu que o gol logo no primeiro minuto atrapalhou os planos do Palmeiras. O time não esperava ser surpreendido e sair atrás tão cedo. "O gol mudou nossa estratégia. E sair atrás nunca é fácil", observou. "Se nossa bola entrasse, o jogo seria diferente. Mas não entrou. A vitória não veio, mas nossa equipe vai brigar até o fim, tem muita competição pela frente", garantiu Weverton.

São cinco pontos atrás do Atlético-MG, que ainda joga na rodada. A desvantagem pode aumentar para oito. Nada que ainda causa preocupação em Weverton com menos da metade do Brasileirão disputado.

"A gente vai brigar até fim pelo campeonato. Os problemas não se solucionam falhando, e sim trabalhando. O grupo inteiro vai buscar melhorar, cada um em sua posição. Esse é o objetivo a curto prazo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.