Sergio Neves/AE
Sergio Neves/AE

William sonha em encerrar a carreira com o título do Campeonato Brasileiro

Capitão corintiano, que deve parar no fim do ano, pode levantar troféu mais importante da vida

RAFAEL VERGUEIRO, estadão.com.br

10 de novembro de 2010 | 19h39

SÃO PAULO - Zagueiro do Corinthians desde 2008, William, 34 anos, sonha em encerrar a carreira com o título do Campeonato Brasileiro, conquista que certamente seria a mais significativa da vida do atleta - no clube, ele levantou a taça da Copa do Brasil no ano passado, e por outras equipes só faturou troféus estaduais.

Veja também:

linkJorge Henrique se recupera

linkTite: 'Não faço julgamento de caráter'

 

A decisão de parar de jogar no fim desta temporada ainda não está tomada, mas é quase certa. "A chance de eu parar é de 90%", declarou. "Mas meu objetivo neste momento é terminar bem o Brasileirão, espero que com o título. Sobre minha carreira pensarei melhor depois, no final do ano quero sentar e conversar com a minha família".

 

Agora, a principal preocupação do capitão corintiano é o duelo do próximo sábado (19h30) diante do Cruzeiro no Pacaembu, pela 34.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Se vencer, a equipe alvinegra assume a liderança e torcerá por um tropeço do Fluminense contra o Goiás no Rio para permanecer na ponta. "O Cruzeiro é muito forte, por isso briga pelo título, mas com certeza teremos inteligência para fazer uma grande partida".

 

Defesa segura. Um dos motivos que animam William nesta reta final do Brasileirão é o bom desempenho da defesa. Desde a chegada do técnico Tite, o Corinthians levou somente um gol em quatro confrontos.

 

"Desde que eu cheguei aqui, a defesa sempre foi um dos pontos fortes. Neste campeonato, infelizmente isso se perdeu em algum momento, ficamos fragilizados. Mas graças a Deus retomamos este equilíbrio e voltamos a vencer. A defesa forte certamente dá tranquilidade ao ataque para fazer gols", destacou.

 

Interferência externa. Para William, nenhum fator extracampo vai atrapalhar o Corinthians neste momento decisivo do Campeonato Brasileiro. Nem os julgamentos do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nem um possível ‘corpo mole’ dos arquirrivais São Paulo e Palmeiras diante de Fluminense e Cruzeiro.

 

Sobre a perda de um mando de campo devido à confusão provocada por torcedores no clássico Corinthians x Palmeiras, ele acredita em uma reviravolta. "Pelo o que eu vi, a confusão partiu da torcida palmeirense, a não ser que mostrem um ângulo diferente. Por isso, acho que isso vai mudar e poderemos jogar no Pacaembu contra o Vasco [penúltima rodada], onde somos muito fortes".

 

William ainda acha impossível que os rivais prejudiquem propositalmente o Corinthians nos jogos contra adversários diretos do alvinegro na luta pelo título. "Isso é coisa de torcedor, não de atleta profissional. Temos que nos preocupar com nossos jogos, que já são bem complicados", assinalou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.