Andrew Couldridge/Reuters
Andrew Couldridge/Reuters

Willian deixará o Chelsea após sete temporada e assinará com o Arsenal, diz imprensa inglesa

Clube e jogador não chegaram a um acordo de renovação contratual

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2020 | 11h23

O meia-atacante Willian deve deixar o Chelsea após sete temporadas. De acordo com a imprensa inglesa, o destino do brasileiro deve ser o rival Arsenal e ele assinará um contrato de três anos com o salário de 100 mil livras (R$ 700 mil) por semana. A transferência ainda não foi oficializada e deve ocorrer após o término desta temporada.

A informação foi divulgada pelo jornal inglês Daily Mail e pela ESPN. Desde junho, Willian negociava sua permanência no Blues. Ambas as partes, no entanto, não chegaram a um acordo quanto ao tempo de renovação do contrato. O jogador desejava três anos e o clube, por sua vez, dois.

Nas últimas semanas não faltaram especulações. A Sky Sports disse que o Barcelona teria manifestado interesse no atleta, enquanto o próprio empresário de Willian, Kia Joorabchian, afirmava que outros cinco clubes haviam sondado o jogador.

O treinador do Chelsea, Frank Lampard, que defendia a permanência do brasileiro no elenco, sinalizou, na última segunda-feira, que não sabia quais seriam os próximos passos do jogador e os rumores de sua saída ficaram mais fortes.

Neste sábado, os Blues enfrentam o Bayern de Munique, em partida válida pelas oitavas de final da Liga dos Campeões. Será o último confronto da oitavas de final. No primeiro, os bávaros venceram, em Londres, por 3 a 0. Willian está machucado e não deve ser relacionado.

Desde sua chegada, em 2013, o brasileiro disputou 339 jogos pelo Chelsea. Nesse período, o meia-atacante, formado nas categorias de base do Corinthians, marcou 63 gols. Ele deixa clube após a conquista de dois Campeonatos Ingleses, uma Liga Europa, uma Copa da Inglaterra e uma Copa da Liga Inglesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.