Andrew Couldridge/Reuters
Andrew Couldridge/Reuters

Willian, do Chelsea, pede cautela para o retorno da disputa da Premier League

"Se reiniciarmos o jogo sem os fãs mas houver contato no campo, poderemos espalhar o vírus entre nós", afirmou o atacante

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2020 | 14h03

Willian, meia do Chelsea, pediu cautela para o retorno dos jogos no Campeonato Inglês durante a pandemia do coronavírus. O jogador está em isolamento em São Paulo e aguarda o momento para voltar para Londres.

"Se reiniciarmos o jogo sem os fãs mas houver contato no campo, poderemos espalhar o vírus entre nós", afirmou o atleta. "Não é uma má ideia, mas é preciso saber com muito cuidado o que vai acontecer. Talvez um jogador possa ter o vírus e nós jogamos um contra o outro. Eu jogo contra alguém e pego o vírus, depois vou para casa e passou para minha família. Temos que ter cuidado."

Callum Hudson-Odoi, companheiro de Willian na equipe londrina, deu positivo para o coronavírus em 11 de março e seu caso contribuiu para a decisão da Premier League de interromper a temporada indefinidamente. O último jogo do Chelsea foi três dias antes contra o Everton.

"Apertamos as mãos e nos abraçamos após esse jogo", lembrou Willian. "Então, depois disso, quando Odoi testou positivo para o coronavírus, acho que todo mundo estava preocupado, mas ninguém apresentou sintomas."

Ainda assim, Willian, junto com o restante da equipe, teve que entrar em isolamento em seu apartamento em Londres antes de finalmente voar para se juntar a sua mulher e filhos que haviam retornado ao Brasil. O contrato dele com o Chelsea Avaí até 30 de junho.

"Quero dar tudo pelo Chelsea até o fim, como sempre fiz, até o final do meu contrato, até o final da liga", disse o meio-campista. "Eu tenho de discutir com o clube para ver o que vamos fazer. Mas para mim, do meu lado, não tenho problemas para jogar até o final da temporada."

O isolamento na Grã-Bretanha foi estendido por pelo menos mais três semanas. As autoridades acreditam que o surto está próximo de seu pico. Até quinta-feira, 13.729 pessoas morreram em hospitais britânicos após testes positivos para o coronavírus, um aumento de 861 em relação ao dia anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.