NILTON FUKUDA/ ESTADÃO/ 16-8-2018
NILTON FUKUDA/ ESTADÃO/ 16-8-2018

Willian ganha fôlego na briga por artilharia e busca recorde no Palmeiras

Sem Róger Guedes, vendido à China, atacante tem caminho livre para assumir topo da lista de goleadores do Brasileiro

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

18 de julho de 2018 | 11h00

O atacante Willian ganhou dupla oportunidade para confirmar aquela que tem tudo para ser a sua temporada mais goleadora: viu o colega Miguel Borja se lesionar e abrir espaço para a função de "9" no Palmeiras e o rival Róger Guedes, artilheiro do Campeonato Brasileiro, despedir-se do Atlético-MG rumo ao futebol chinês. Ele espera dar a resposta em campo já a partir desta quinta-feira, quando enfrenta o Santos, no Pacaembu.

+ Sete jogos e só um rival do G-6 à vista: a série do Palmeiras no Brasileirão

+ Confira a tabela da Série A do Brasileirão

Com sete gols na competição, dois a menos em relação ao agora ex-atleticano, Willian já balançou as redes 13 vezes aos todo em 35 participações no ano. A média de 0,37 gol por jogo é ligeiramente superior à do ano passado, quando bateu o seu recorde de gols em uma temporada: fez 17 em 52 confrontos (média de 0,32).

Não que o palmeirense tenha na carreira a fama de definidor. Atacante de "beirada", ele sempre se destacou mais pela entrega do que pela quantidade de bolas nas redes adversárias. No próprio Cruzeiro, onde também desempenhou algumas vezes a função de falso 9 que vem realizando no Palmeiras, acumulou 38 gols em 177 partidas, o que lhe rendeu modesta média de 0,21 gol por jogo ao longo das quatro temporadas vividas no clube mineiro.

A única vez em que terminou um campeonato como artilheiro aconteceu em 2010, pelo Figueirense, quando os 13 gols marcados no Campeonato Catarinense lhe deixaram à frente dos concorrentes. Aquela temporada, por sinal, foi a sua melhor em termos de eficiência: 14 gols em 35 duelos (média de 0,4 por jogo).

Livre, leve e solto. No Palmeiras, ele sempre teve a concorrência de Borja e acabava preterido pelo técnico Roger Machado em algumas ocasiões. Em outras, dava lugar a Keno. Bem, os dois não serão problema por um tempo.

O colombiano voltou da Copa do Mundo com uma lesão no menisco do joelho direito e passou por cirurgia no início do mês. A previsão era de que se ausentasse durante, ao menos, seis semanas. Por sua vez, Keno acabou negociado com o futebol egípcio e não integra mais o elenco alviverde.

O ataque palmeirense ainda conta com mais três peças no grupo: Dudu, Deyverson e o jovem Artur.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.