Felipe Dana/AP
Felipe Dana/AP

Willian pede seleção 'mentalmente forte' após empate na estreia contra a Suíça

Meia-atacante não quer abatimento na equipe depois de tropeço

Leandro Silveira, enviado especial / Rostov, O Estado de S.Paulo

17 Junho 2018 | 19h54

O meia-atacante Willian destacou a importância de a seleção brasileira não se abalar após iniciar a sua participação na Copa do Mundo da Rússia com um frustrante empate por 1 a 1 contra a Suíça, neste domingo, em Rostov. Após ter um bom início de jogo e abrir o placar com um golaço de Philippe Coutinho, a equipe caiu de rendimento na etapa final, quando sofreu gol de Züber logos nos primeiros minutos e não conseguiu a vitória.

+ Caçado, Neymar sente dores no pé operado, mas diz que 'está inteiro'

+ Tite vê falta clara em Miranda, mas não quer jogadores reclamando

+ Jogadores do Brasil lamentam erros e reclamam da arbitragem após empate

"Temos que seguir mentalmente forte, mas não foi o resultado que queríamos", admitiu Willian, que está em sua segunda Copa do Mundo pela seleção brasileira, mas só agora como titular, pois em 2014 foi reserva durante a competição no País, só iniciando o jogo que valeu a disputa do terceiro lugar - a derrota por 3 a 0 para a Holanda.

O empate contra a Suíça deixou o Brasil com um ponto no Grupo E, assim como a Suíça, e atrás da líder Sérvia, com três, após superar a Costa Rica por 1 a 0. Diante desse cenário, Willian destacou a importância de o Brasil não tropeçar nesta sexta-feira, quando a seleção terá pela frente os costarriquenhos, em São Petersburgo.

+ 'Se tinha algum momento para tropeçar, era agora', diz Alisson após estreia

+ Brasil não vence em estreia de Copa do Mundo pela primeira vez desde 1978

"Copa do Mundo é sempre difícil. Sabíamos que seria complicado. Temos que continuar focados", disse. "Temos que pensar para frente e ir para cima com tudo para vencer o próximo jogo", alertou o meia-atacante do Chelsea.

 

Além disso, Willian reforçou o coro de reclamações envolvendo a arbitragem do mexicano César Ramos. Ele apontou que o juiz teve participação direta no placar final do duelo contra a Suíça ao não assinalar falta em Miranda no lance em que Steven Zuber marcou o gol da equipe europeia, em cabeceio. "Foi o único gol que eles fizeram e, ao meu ver, foi falta. Não importa a força do empurrão, foi suficiente para impedir o Miranda de subir. Ou o juiz não viu ou não quis ver", afirmou.

+ Empate na estreia não diminui otimismo da torcida em evento com 12 mil em SP

No outro lance polêmico do jogo, Willian foi menos incisivo e evitou afirmar se Gabriel Jesus foi empurrado na grande área por Akankji. Mas assegurou que o atacante do Manchester City lhe assegurou ter sofrido a falta do adversário. "Eu estava perto do lance, ele girou e quando foi chutar, não sei se o adversário empurrou ou puxou e o Gabriel caiu. Estava perto, mas é um lance difícil. Perguntei para ele e ele disse que foi pênalti", comentou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.