Wilson Coimbra usa conversa para clássico

Enquanto os bastidores do Palmeiras se agitavam com a saída do técnico Jair Picerni, Wilson Coimbra, o ?Macarrão?, se desdobrava nesta sexta-feira para resolver um problemão: assumir a equipe interinamente e, em dois dias, deixá-la em condições de não dar vexame contra o Santos, adversário de domingo. ?Não posso mexer muito porque não tenho tempo. Temos um adversário dificílimo pela frente e quero conversar com as pessoas que estão há mais tempo no clube para ver o que pode ser melhorado?, afirmou.Wilson Coimbra ? que comandou o time de juniores do Palmeiras na Copa São Paulo e estava atualmente no comando do time B do clube ? passou a tarde dividido entre um treino físico e muita conversa com jogadores mais experientes, como Magrão, Sérgio e Adãozinho. Passou mais tempo, porém, ao lado do preparador físico Walmir Cruz e admitiu que deverá fazer uma parceria com o profissional e mais o preparador de goleiros Carlos Pracidelli, nos moldes do que foi adotado no São Paulo, quando Roberto Rojas trabalhou ao lado de Milton Cruz. ?Isso é natural porque, apesar de conhecer vários jogadores do time B, eles estão há mais tempo na equipe e a conhecem bem?, justificou.Segundo Wilson Coimbra, os fatores psicológicos podem pesar na hora de definir o time titular. ?Posso fazer algumas mudanças se sentir que o jogador, apesar de ter boa qualidade, mostrar estar que está muito abalado com a desclassificação do time.?Defensor - Carlos Pracidelli normalmente não costuma se manifestar depois de uma derrota da equipe, mas abriu uma exceção para defender Marcos das acusações de que teria sido o responsável pela derrota do Palmeiras para o Santo André. Disse que reviu os lances dos gols pela TV e, na sua avaliação, o goleiro só pode ser responsabilizado por falha no terceiro. ?Ali ele poderia ter saído um pouco antes e ter pego a bola em um ponto mais alto?, revelou. Nos outros casos, segundo Pracidelli, a bola foi no ?primeiro pau?, onde o atacante vai cabecear mesmo sem saber se a bola chegará até ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.