Wilson Mendonça tem atuação exemplar

Por causa dos últimos problemas com arbitragens em jogos decisivos, a Confederação Brasileira de Futebol indicou um juiz de Pernambuco para o clássico paulista. Geralmente, juízes de São Paulo costumam apitar estes confrontos. Mas Wilson Souza Mendonça teve uma atuação exemplar.Pouco antes de começar a partida entre Palmeiras e Corinthians, ele já mostrou que não iria facilitar. Pediu para os jogadores colocarem a camisa dentro do calção, conforme manda a regra. Fez o sinal da cruz pedindo proteção e apitou o início do confronto.Logo no primeiro minuto, Marinho fez falta em Cláudio e reclamou, mas Wilson não deu conversa. Aos 5, Bruno Octávio chocou-se com Gamarra, mas a jogada foi limpa e o árbitro mandou seguir. Em todo lance de faltas, Wilson quase não conversava com os atletas. Sabia que estava sendo observado.Aos 9, Fabrício fez falta dura em Fabiano, mas o juiz não deu cartão. Só que aos 18, o volante corintiano fez nova falta, desta vez em Diego Souza, e levou amarelo. E pouco depois, aos 21, Fabrício derrubou Diego dentro da área. O juiz marcou pênalti corretamente e ainda mostrou o cartão vermelho.Os corintianos esboçaram uma reclamação, mas sabiam que o juiz havia acertado. Até o zagueiro Betão, do Corinthians, não quis entrar em polêmica. ?Eu estava distante do lance, mas o juiz apitou e marcou o pênalti?, disse, com expressão clara de que estava mais descontente por seu time sofrer o empate apenas dois minutos após ter aberto o placar do clássico.A segunda etapa da partida foi até mais tranqüila para Wilson Souza Mendonça. Apesar de ter distribuído mais cartões amarelos ? para Daniel, Gustavo Nery, Roger e Betão ? o jogo transcorreu sem maiores problemas e apenas uma ou outra reclamação foi feita em lances de falta.No final, o empate por 1 a 1 não foi o que os torcedores esperavam. Mas ninguém poderá reclamar da atuação de Wilson Souza Mendonça. Ele marcou 19 faltas para o Verdão, 11 para o Corinthians e soube controlar os nervos dos jogadores. Distribuiu cartões com coerência e acertou na expulsão de Fabrício.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2005 | 19h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.