Tobias Schwarz/AFP
Tobias Schwarz/AFP

Wolfsburg bate Bayern, frustra Guardiola e leva Supercopa da Alemanha

Após empate por 1 a 1, equipe conquista título nos pênaltis

Estadão Conteúdo

01 de agosto de 2015 | 18h05

Na primeira partida da temporada 2015/16 na Alemanha, o Bayern de Munique voltou a frustrar sua torcida. O maior campeão da história do futebol alemão perdeu neste sábado a final da Supercopa da Alemanha para o Wolfsburg, campeão da Copa da Alemanha na última temporada, nos pênaltis, após empate por 1 a 1 no tempo normal. O resultado frustrou o técnico Pep Guardiola, que nunca venceu uma Supercopa desde que assumiu a equipe bávara, em 2013, e abre espaços para rumores que apontam como certa a saída do treinador catalão ao fim da temporada.

A partida começou em ritmo intenso, com o time de Munique dominando as ações, mas falhando nas conclusões, sempre com um toque a mais. Em uma das oportunidades, aos 26 minutos, Thomas Müller fez boa jogada e deixou Lewandowski em posição favorável na entrada da área. O atacante encontrou Douglas Costa livre pela esquerda. O brasileiro, que recebeu a bola em posição clara para o arremate, preferiu passar para o polonês em vez de concluir para o gol. Outro brasileiro, Naldo, desviou a bola antes da chegada do atacante.

Como o Bayern não encontrava o caminho para as redes, o Wolfsburg reagiu. Na melhor chance da primeira etapa, aos 42, o belga De Bruyne recebeu bom lançamento de Naldo, se livrou do zagueiro e contou com uma saída atrapalhada de Neuer para ficar com a bola. Com o gol vazio, o atacante chutou forte, mas errou feio a meta e viu a bola sair perto da trave. Sorte dos campeões alemães.

Na volta do intervalo, o Bayern abriu o marcador. Em boa jogada pela esquerda do brasileiro Douglas Costa, o holandês Robben finalizou para as redes depois de intervenção de Müller, que tirou a atenção da defesa adversária.

Em desvantagem, a equipe da casa se lançou ao ataque e encurralou o time de Munique, que teria ainda a estreia do chileno Vidal com a camisa vermelha na final deste sábado. E como aconteceu em várias partidas da temporada passada, a equipe de Guardiola tentou controlar a posse de bola, mas não obteve sucesso. Recuou, deu espaços e viu o Wolfsburg empatar aos 44 minutos do segundo tempo.

Em jogada rápida, Guilavogui lançou o belga De Bruyne, aberto na direita. O atacante foi até o fundo e cruzou rasante para o dinamarquês Bendtner, dentro da pequena área, completar para as redes, sem chance para Neuer.

Na disputa de pênaltis, Xabi Alonso, sem muita convicção, chutou no meio do gol a segunda cobrança de seu time e o goleiro Casteels, do Wolfsburg, tirou a bola com o pé. Todos os jogadores de ambas as equipes converteram suas cobranças, até o chute final de Bendtner. O dinamarquês mostrou que era seu dia e não deu chance para Neuer, marcando o gol do título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.