Rafael Ribeiro/Vasco.com.br
Rafael Ribeiro/Vasco.com.br

Yago Pikachu projeta reação do Vasco nos próximos jogos antes da Copa América

Antes de clássico com o Botafogo, jogador aposta em evolução do time no Campeonato Brasileiro

Redação, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2019 | 17h34

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, o lateral-direito do Vasco, Yago Pikachu, comentou sobre a importância de obter uma série de bons resultados nos três jogos da equipe pelo Campeonato Brasileiro que restam antes da parada para a Copa América. O primeiro destes compromissos acontece neste domingo, às 11 horas, no clássico diante do Botafogo, no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro.

"Nada mais importante que jogar um clássico e vencer para o resgate da confiança e a recuperação da autoestima. Queremos bons resultados para chegarmos na parada fora da zona de rebaixamento", explicou o atleta, que marcou o gol do time carioca na capital cearense no empate por 1 a 1 contra o Fortaleza.

"Acredito que tivemos uma evolução na última partida, fizemos um bom jogo, executando a proposta que trabalhamos na semana e criamos chances para vencer, mas infelizmente tomamos um gol no fim", ressaltou, dizendo-se preocupado com a posição da equipe na tabela de classificação, mas confiante.

O time de São Januário ocupa a lanterna com apenas três pontos, ainda sem vencer na disputa. Situação bem diferente daquela pela qual passa o adversário deste domingo, que tem nove, com um bom aproveitamento nas primeiras rodadas. "O Botafogo passa por um momento confortável na tabela do Brasileirão, então temos que estar atentos. Precisamos ser eficientes e aproveitar as chances que aparecerem. Uma vitória fará com que a gente vá mais confiante para os jogos seguintes em casa, contra Inter e Ceará", apontou Pikachu, que é um dos líderes do elenco comandado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo.

O lateral-direito se disse ainda surpreso com a saída do atacante argentino Máxi Lopez, que pediu rescisão de contrato com o clube na última semana. "Para nós foi uma surpresa porque estávamos viajando e soubemos da notícia. Não tivemos contato pessoalmente. Se despediu por mensagens. Foi muito importante para a gente e tem seus motivos para ir embora. Agora vamos seguir nossa caminhada sem ele", concluiu.

Já projetando o confronto deste domingo, que ocorre em um horário que habitualmente é de altas temperaturas no Rio de Janeiro, os atletas cruzmaltinos realizaram um trabalho no fim da manhã desta sexta-feira, modificando a rotina para obter uma melhor adaptação.

"Tvemos um treino para o pessoal da comissão técnica ver como iríamos nos comportar com o cardápio do café da manhã. Sou um pouco chato para comer pela manhã, então iremos ver uma forma de compensar isso depois que tivermos o resultado desse treinamento", contou o lateral-direito, que por vezes foi escalado durante o ano como meia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.