Rubens Chiri/ São Paulo
Rubens Chiri/ São Paulo

Zaga do São Paulo se mantém em alta mesmo com rodízio de Aguirre

Treinador já utilizou seis formações diferentes na retaguarda do time, dono da quinta melhor defesa do Brasileiro

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2018 | 05h00

Falar em dupla de zaga titular do São Paulo no Campeonato Brasileiro é tarefa complicada. Com o rodízio promovido pelo técnico Diego Aguirre no setor, seis formações diferentes já começaram os jogos ao longo de 21 rodadas. E, apesar da rotatividade, o desempenho da retaguarda do líder não cai. Atualmente, o time é dono da quinta melhor defesa da competição, com 17 gols sofridos.

Três peças, principalmente, vêm se revezando nas escalações iniciais: Arboleda, Anderson Martins e Bruno Alves. Rodrigo Caio, que passou boa parte do primeiro turno machucado e só recentemente voltou a ser relacionado, foi titular nas duas primeiras partidas.

Até aqui, quem mais começou no time titular foi o equatoriano Arboleda. Ele esteve no 11 inicial de Aguirre em 15 ocasiões. Anderson Martins e Bruno Alves aparecem em seguida, com 13 aparições.

"Desde que chegou, ele (Aguirre) falou que não haveria 11 titulares, e sim, um elenco qualificado. Ele aposta em todo mundo e quem entra dá conta do recado. Ele faz um rodízio. Às vezes, a gente vem de uma sequência de jogos, então ele muda para o time não perder rendimento. Vem dando certo", destacou Bruno Alves, em entrevista para a Rádio Globo, na última segunda-feira.

Para se ter uma ideia de que o rodízio não é da boca para fora, as três parcerias possíveis entre esses jogadores apresentam números de participações muito próximos. Confira abaixo quantas vezes cada formação começou jogando:

Anderson Martins e Arboleda: 7 vezes.

Bruno Alves e Arboleda: 6 vezes.

Bruno Alves e Anderson Martins: 5 vezes.

Rodrigo Caio e Bruno Alves: 1 vez.

Rodrigo Caio e Arboleda: 1 vez.

Em uma ocasião, o uruguaio montou o São Paulo num esquema com três zagueiros, no caso, Anderson Martins, Arboleda e Bruno Alves. "A gente entendeu o trabalho. Só sabe da escalação no dia do jogo. Ele tem confiança no time inteiro. A gente ali da zaga não tem vaidade, pelo contrário, é uma amizade sincera e isso reflete dentro de campo", garantiu Bruno Alves.

Clube garante: não recebeu oferta por Arboleda

Na última semana, começaram a surgir rumores de que o equatoriano estaria na mira do Espanyol. Aos 26 anos, o zagueiro só jogou no Brasil desde que deixou seu país natal, em 2017, justamente rumo ao Morumbi. Pelo São Paulo, acumula 52 partidas disputadas e quatro gols. Com a lesão de Rodrigo Caio ainda antes da Copa do Mundo, assumiu a função de principal figura da zaga tricolor.

Procurados pela reportagem, tanto o coordenador de futebol do clube, Ricardo Rocha, quanto a assessoria de imprensa do time negaram a existência de qualquer proposta pelo jogador. Lembrando que a janela para a Europa se fecha nesta sexta-feira. Um dia antes, o técnico da seleção equatoriana, Hernán Darío Gómez, vai anunciar a lista de convocados para os amistosos contra Jamaica e Guatemala, dias 7 e 11 de setembro, respectivamente, nos Estados Unidos.

Espera-se que Arboleda esteja presente na relação, o que poderá tirá-lo de ao menos duas partidas do Brasileirão: Atlético-MG (5) e Bahia (8). Ele retornaria a tempo de encarar o Santos, dia 16, na Vila Belmiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.