Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Zagallo torce o nariz para Ronaldinho Gaúcho no Fluminense

Ex-técnico, que teve o meia em 2006, diz que não o contrataria

O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2015 | 09h56

Perto de completar 84 anos, Zagallo continua afiado em suas declarações, não arreda o pé de torcer pela seleção e volta a apontar Felipão pelo fracasso na Copa do Mundo. Sem meias palavras, diz que o treinador, hoje na China depois de passagem pelo Grêmio, e de quem é amigo, cometeu um erro tático. Zagallo também torce o nariz para a contratação de Ronaldinho Gaúcho pelo Fluminense. "Eu não o traria", diz.

Sobre a Copa, Zagallo ainda não engoliu o resultado diante da Alemanha. "Não poderíamos começar o jogo daquela maneira. Foi um erro tático! Não tenho nada contra o Felipão, mas errou. Vou dizer que não? Ele perdeu, e da maneira que perdeu, não tem nem o que dizer. Passar um pano por cima? Não dá. Aquilo foi inexplicável. O que a gente não pode é ficar aqui comemorando o aniversário do 7 a 1", disse Zagallo, em entrevista ao jornal Lance!

Em casa, sem planos no futebol e recuperando-se de uma infecção na coluna, Zagallo 'sabe' tudo do futebol e diz não perder na nada na televisão. Dos treinadores em exercício no futebol nacional, tira o chapéu para Marcelo Oliveira (Palmeiras), Tite (Corinthians) e Cristóvão Borges (Flamento). Fala de Muricy Ramalho como se ele ainda estivesse em ação - o treinador se afastou para um período sabático a fim de cuidar da saúde. Zagallo também aponta Atlético-MG e Palmeiras como os melhores do Brasileiro, e faz uma referência a Guerrero, atacante do Flamengo. "Está sempre bem colocado. A bola o procura. É o melhor atacante do Brasil."

Sobre seu Botafogo, carrega muita esperança de vê-lo em breve na primeira divisão. E valoriza o trabalho de Ricardo Gomes. "É um cara bacana pra burro. Ele foi meu jogador. Cara nota 10." Mas não tem a mesma simpatia por Ronaldinho Gaúcho, que foi seu jogador na Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, e está agora no Fluminense. "Eu não queria no meu time. É um jogador por quem não morro de amores. Teve uma fase excepcional no Barcelona e pronto, foi só. Não é de correr muito, mas pode decidir jogo. Mas ele é mais show do que um jogador que gostaria de ter."

Zagallo fala da seleção brasileira com carinho, admite que o time não está encantando, mas ainda acredita. "O Brasil nunca deixou de se classificar para uma Copa. E não vai ser agora. Eu sou um cara que sempre acredita. Todos falam da Alemanha, mas ela poderia ter perdido para a Argentina na final da Copa por 1 a 0. Aí, estaríamos falando da Argentina. Mas felizmente não aconteceu. Jamais torceria por eles."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.