Zagallo condena brincadeira de Robinho

O coordenador-técnico da seleção brasileira, Zagallo, considerou oportuna e necessária a bronca da diretoria da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em Robinho e Diego, por causa de uma brincadeira considerada de mau gosto pela entidade, mas afirmou que o incidente não pode afetar a espontaneidade da dupla santista. Para Zagallo, a irreverência é uma virtude que deve ser mantida pelos jovens craques. "Tudo na vida tem limite. Se eles estivesssem só entre eles, tudo bem. São amigos, se entendem. Mas, diante das câmeras, devem evitar essas exposições gratuitas", comentou. Ele se referia à foto que correu mundo em que Robinho abaixa o calção de Diego no momento em que este posava para a foto oficial de credenciamento do Torneio Pré-Olímpico, no Chile. O secretário-geral da CBF, Marco Antonio Teixeira, telefonou para a concentração da seleção e reclamou com a comissão técnica. "É importante alertar os jogadores para que amanhã ou depois ninguém possa dizer que faltou seriedade ao trabalho. É preciso às vezes se policiar. E o Robinho sabe que cometeu um excesso." Zagallo afirmou que o fato não vai representar prejuízo para Robinho e Diego - "até porque todos sabem que eles são brincalhões e responsáveis" - e contou um incidente semelhante ocorrido com o goleiro Manga, do Botafogo, nos anos 60. Zagallo era amigo de todos os jogadores do clube e estava começando seu trabalho como técnico do Botafogo. "De repente, do nada, o Manga soltou uma gracinha pra mim na frente de toda a imprensa. Eu rebati, fui duro. Ele acusou o golpe. Depois, no vestiário, eu expliquei a ele que a atitude era necessária, mas que nossa amizade e respeito não tinham sido atingidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.