Zagallo ganha busto e critica seleção

O técnico tetracampeão mundial Zagallo completou nesta quinta-feira 70 anos criticando a seleção brasileira, mas fugindo da polêmica sobre a convocação do atacante Romário, do Vasco. Campeão mundial, como jogador, em 1958 e 1962, e como técnico em 1970 e 1994.O Velho Lobo, como é apelidado, atualmente treinador do Flamengo, realizou um antigo sonho: ganhou um busto de bronze para perpetuar sua história, em festa na Vila Olímpica do Município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. E avisou: seleção, nunca mais. ?O grande problema da seleção é que está faltando uma equipe-base?, atacou. ?Não há definição de nada. Terminou a Copa de 98 e nada foi feito, somente mudanças.?O treinador usou a contratação recente do técnico da equipe brasileira, Luiz Felipe Scolari, como exemplo de excesso de mudanças, que teria prejudicado o time. ?O Felipe chegou agora e ainda não teve tempo para organizar?, afirmou, isentando Scolari de responsabilidade pelos maus resultados.Zagallo disse, porém, que não acredita que o Brasil vá ficar de fora da disputa da Copa do Mundo de 2002. Para ele, dificilmente a equipe terminará as eliminatórias em primeiro lugar, mas vai conseguir superar o atual momento de ?grande turbulência? e se classificar entre os cinco primeiros. Quando lhe perguntaram se convocaria o atacante Romário para a seleção, Zagallo esquivou-se e perdeu a paciência. ?Não sou o técnico do Brasil, não fui convidado, não volto mais para a seleção e não vou responder?, irritou-se.A derrota do Flamengo para o Paraná, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, no Maracanã, na véspera de seu aniversário, não foi considerada por Zagallo um ?presente de grego?. O treinador enfatizou que os títulos do tricampeonato Estadual e da Copa dos Campeões, conquistados este ano, foram os verdadeiros presentes de seus jogadores. Emocionado, Zagallo agradeceu a Deus pela vitoriosa carreira e pediu saúde para continuar atuando. Sobre o busto de bronze, de 65 cm de altura, ofertado pela Prefeitura de Duque de Caxias, o treinador afirmou ter ficado satisfeito, principalmente, por ter sido homenageado em vida.Apesar das conquistas ao longo de 53 anos de carreira, como atleta e treinador, Zagallo revelou um sonho que não conseguiu realizar: ganhar a medalha olímpica de ouro, no Jogos de Atlanta (EUA), em 1996. ?Infelizmente, veio o Bronze.? Dentre as homenagens recebidas, Zagallo surpreendeu a todos ao vestir uma camisa do Fluminense, presenteada pelo clube, com o que considera seu número da sorte, o 13, nas costas. Em 1971, o treinador foi campeão carioca pelo Tricolor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.