Zagallo volta ao trabalho na CBF

Setenta dias depois do último encontro na sede da Confederação Brasileira de Futebol, o técnico da seleção, Carlos Alberto Parreira, e seu auxiliar Zagallo voltaram a despachar na entidade. Estavam com saudades um do outro. O primeiro passou um mês na Europa, por conta da disputa da Copa das Confederações, acrescida de uma semana de folga. Zagallo estava afastado das atividades devido a uma delicada cirurgia em 10 de maio, para retirada da vesícula, de parte do estômago e do duodeno.Falaram sobre a conquista recente da Copa das Confederações, os próximos jogos do Brasil pelas eliminatórias do Mundial de 2006 e, claro, sobre a recuperação de Zagallo. Ele perdeu nove quilos, mas não a pose e o bom humor. E já fez planos para o mês de agosto. "Eu vou para a Croácia, conversarei com meus médicos e estarei lá com a seleção, não quero nem saber", disse Zagallo, referindo-se ao amistoso do Brasil com a Croácia, dia 17 do mês que vem. "Sinto um desconforto na barriga, por causa da operação. Mas não vejo a hora de vestir de novo o uniforme verde e amarelo." Os dois ainda tinham outro motivo para comemorar o reencontro: o aniversário do supervisor Americo Faria. A comissão técnica vai passar a se reunir diariamente até a convocação, em 2 de agosto, para o amistoso. Até lá, Parreira vai ter que contar em detalhes como viu a reação dos argentinos, assim que acabou a decisão da Copa das Confederações, na Alemanha. "Eles estavam completamente arrasados." Zagallo lamentou não ter visto de perto a expressão dos rivais após a derrota por 4 a 1 para o Brasil, na decisão do torneio. "Pela TV é diferente. Mas foi muito bom vê-los bem tristes, diante da nossa seleção." Assim que Parreira avistou Zagallo nesta segunda-feira na sede da CBF, falou em voz alta. "Que bom, olha o reforço que ganhamos." Depois do abraço, elogiou a disposição do amigo, com quem começou a trabalhar em 1970. "Está muito animado, com a aparência cada vez melhor. E ele não agüenta ficar longe da seleção", comentou o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.