Lee Smith/Reuters
Lee Smith/Reuters

Zagueiro da Inglaterra elogia Colômbia, mas avisa: 'Estamos cheios de confiança'

Partida tem um peso maior para equipe inglesa, que não vence um confronto de mata-mata em competições importantes desde 2006

Estadão Conteúdo

02 Julho 2018 | 05h18

Titular da defesa da seleção inglesa, o zagueiro Harry Maguire falou sobre a expectativa para o confronto das oitavas de final da Copa do Mundo diante da Colômbia. Em entrevista ao canal da Associação de Futebol do país (FA) no Youtube, o jogador do Leicester elogiou o adversário e previu um jogo difícil nesta terça-feira, em Moscou, mas avisou que sua equipe está "cheia de confiança".

+ Rakitic admite inspiração em 1998, mas pede que Croácia esqueça aquele time

+ Salah assina renovação de contrato por 'longo prazo' com o Liverpool

+ Herói da classificação croata, goleiro homenageia amigo que morreu em jogo

"A gente definiu nossa meta no início do torneio, que era passar pela fase de grupos", declarou o jogador. "E, agora, nós temos um grande jogo diante da Colômbia, pelo qual estamos ansiosos e para o qual estamos cheios de confiança."

Além da importância natural de um jogo de oitavas de Copa do Mundo, a partida desta terça tem ainda mais peso para a Inglaterra por conta do péssimo retrospecto recente em jogos de mata-mata. Desde 2006, quando chegou às quartas na Alemanha, o país nunca venceu um confronto eliminatório em competições importantes, tabu mantido após quedas nas edições de 2012 e 2016 da Eurocopa (em 2008 a seleção ficou de fora) e 2010 e 2014 do Mundial.

"É um grande acontecimento passar pela fase de grupos, como já foi um grande feito passar pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo. Para quem está jogando, é um grande feito. Mas sentimos que ainda há mais por vir e é isso que precisamos mostrar contra a Colômbia", opinou Maguire.

 

Com nomes como Dele Alli e Harry Kane, a seleção inglesa tem feito boas atuações nos últimos anos e empolgou a torcida local, que confia na conquista do segundo título mundial do país. "A reação da torcida em casa tem sido fantástica. É por isso que jogamos, porque queremos colocar um sorriso no rosto destas pessoas. Felizmente, nos primeiros dois jogos fizemos isso. Agora, queremos que aconteça de novo", disse o zagueiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.