Pavel Golovkin/AP
Pavel Golovkin/AP

Zagueiro da Rússia diz que aprendeu com Sergio Ramos a forma de parar Salah

"Como posso parar Salah? Por exemplo, como o Sergio Ramos. Ele demonstrou uma das maneiras", disse Ilya Kutepov

Estadão Conteúdo

07 Junho 2018 | 20h18

O zagueiro Ilya Kutepov concedeu uma entrevista coletiva bastante polêmica nesta quinta-feira. Jogador da seleção russa, ele atacou os críticos da equipe, cutucou Luis Suárez e ainda afirmou que aprendeu com Sergio Ramos a forma de parar Mohamed Salah, do Egito, quando os dois países se enfrentarem na primeira fase da Copa do Mundo.

+ Islândia leva gol no final e empata com Gana em último amistoso antes da Copa

+ Recuperado, James Rodríguez volta aos treinos na Colômbia

+ Na volta de Cristiano Ronaldo, Portugal bate a Argélia por 3 a 0 em amistoso

"Como posso parar Salah? Por exemplo, como o Sergio Ramos. Ele demonstrou uma das maneiras. Não vou dizer que fiquei muito chateado quando Salah se lesionou na final da Liga dos Campeões, mas desejo-lhe uma recuperação rápida", declarou o jogador.

Salah contundiu o ombro na decisão da Liga dos Campeões, entre Liverpool e Real Madrid. Em disputa com Sergio Ramos, foi seguro pelo espanhol e caiu de mau jeito, sobre o braço. O egípcio está afastado dos treinos e, inclusive, pode perder a estreia da Copa diante do Uruguai, dia 15 de junho, graças ao problema.

Mas Salah não foi o único alvo de Kutepov nesta quinta. O jogador do Spartak Moscou disparou contra Luis Suárez, outro adversário da Rússia na primeira fase. Ao ser perguntado se temia o atacante do Barcelona e seu "histórico de mordidas", o zagueiro respondeu: "Se tenho medo das mordidas do Luis Suárez? Não. Se necessário, eu próprio posso mordê-lo".

Kutepov se mostrou bastante irritado ao longo de toda a entrevista. Afinal, foi bastante questionado sobre a má fase da Rússia, que chega para a Copa sob muita pressão da torcida. A última vitória do país aconteceu em outubro do ano passado, em amistoso com a Coreia do Sul. De lá para cá, foram sete partidas, com quatro derrotas e três empates.

"Nós recebemos as críticas de uma forma bem relaxada, já que temos trabalho a fazer. Nós temos nossos próprios críticos: nosso técnico, além de nossas famílias e amigos. É claro que o torcedor sempre quer que seu time vença. Vamos corrigir nossos erros até a Copa do Mundo. Tudo será diferente", garantiu.

País-sede da Copa, a Rússia está no Grupo A, ao lado do Uruguai, do Egito e da Arábia Saudita, adversária dos anfitriões na partida de abertura do Mundial, quinta-feira que vem, em Moscou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.